BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Família

Familia-como-apoio-emocional-.png

A família é a base para todas as fases da vida e não é diferente durante a descoberta do câncer. O tripé que sustenta positivamente o tratamento oncológico inclui: paciente, profissionais especializados e família. Nesse sentido, é de suma importância os familiares e amigos se empenharem para oferecer apoio, conversa e acolhimento durante este momento delicado. O suporte psicológico especializado também é essencial, visto que, de acordo com artigo publicado no site do Instituto Nacional do Câncer (Inca), 20% a 30% dos pacientes com câncer têm ansiedade, depressão, estresse e baixa autoestima em algum momento após o diagnóstico.

Nós, do Blog da Medquimheo, produzimos este conteúdo especial para você, familiar e amigo, com o objetivo de te mostrar que é possível ajudar o paciente oncológico a atravessar o tratamento com mais leveza e oferecer apoio adequado neste período. Confira!

Veja também: Câncer e depressão: entenda a relação!

🩺 Qual a importância do apoio psicológico especializado?

O psicólogo especialista em tratamento oncológico pode contribuir na identificação de medos, dúvidas, expectativas e incertezas do paciente, bem como ofertar um espaço de escuta efetiva e suporte profissional. Nesse contexto, o trabalho também é realizado com a família, que é peça fundamental na assistência da pessoa diagnosticada com câncer e precisa saber a forma correta de lidar com a situação. Dessa forma, o acompanhamento irá proporcionar mais bem-estar ao paciente e familiares, além de auxiliar na compreensão de fatores emocionais que podem intervir na saúde e, consequentemente, no tratamento. 

⚠️ Quais sinais evidenciam a necessidade de ajuda?

Importante citar que a ajuda emocional especializada deve ser priorizada para pacientes de todas as idades, visto que, de acordo com levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Pediatria, há um maior número de casos depressivos em adolescentes de 14 a 16 anos, que representam cerca de 59,9% do público desta idade. Os índices podem ser maiores quando se trata de pacientes oncológicos crianças. Nesse sentido, é necessário se atentar a sintomas como tristeza generalizada, desesperança, culpa excessiva, vontade de se isolar e autocríticas exageradas para detectar precocemente quadros clínicos de ansiedade ou depressão.  

👨‍👩‍👧‍👦 Como a família pode oferecer apoio?

O apoio por parte de familiares e amigos deve visar a maior comodidade do paciente, tanto física, quanto mental. Isso implica na presença ativa, encorajamento positivo, escuta efetiva, compartilhamento de informações relevantes sobre temas além do câncer e acolhimento na comunicação e ação. Para te ajudar nessa missão, separamos algumas dicas de como praticar o apoio emocional a um paciente oncológico:

💙 Ofereça-se para ouvir e conversar;

💙 Ajude nas tarefas do dia a dia, mesmo que simples;

💙 Acompanhe nas consultas e tratamentos de rotina;

💙 Incentive a cuidar da alimentação, saúde e autoestima;

💙 Respeite o tempo e espaço do outro;

💙 Seja positivo e engaje-o no convívio social, mesmo que virtualmente.

#DicaMedquimheo: o Inca publicou uma cartilha com dicas para diminuir o estresse durante o tratamento oncológico. Confira!

Conheça nosso blog!

Aqui em nosso Blog sempre encontrará materiais relevantes para mais saúde e qualidade de vida. Confira outros conteúdos que podem ser de seu interesse:

Ansiedade: saiba como lidar durante o isolamento

Saúde mental: quais hábitos adotar para ter uma mente saudável?

Fonte: Instituto Nacional do Câncer (Inca).


receitas-de-fim-de-ano-de-dar-agua-na-boca.jpg

Mais um ano chega ao fim e, para que você possa aproveitar o cardápio das festas de fim de ano sem medo, nós, da Medquimheo, preparamos um post com dicas de receitas para fazer no final de ano e deixar sua ceia ainda mais deliciosa.

Consultamos nossa nutricionista, Drª Naira Fraga, para sugerir duas receitas especiais e surpreender seus convidados com pratos saudáveis e saborosos. Quer saber quais são? Continue acompanhando! 

Receita de carne marinada com limão, alecrim e mel

Os pratos principais são sempre os mais aguardados dos cardápios das festas de fim de ano. Que tal inovar sua ceia com um prato diferente e saboroso? A nossa dica de prato principal é: carne marinada com limão, alecrim e mel

Ingredientes: 

  • 1kg de filé mignon (ou de seu corte bovino favorito) 
  • suco de 1 limão
  • duas colheres (sopa) de mel
  • alecrim
  • sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:

Em uma tigela, esprema o limão, junte ao suco o alecrim, o mel, o sal e a pimenta. Misture bem e reserve. Na assadeira, disponha os pedaços da carne e, com auxílio de uma colher, despeje o caldo sobre eles. Cubra com plástico filme e deixe marinar. Depois é só colocar a carne para assar e servir! 

Receita de arroz selvagem com castanhas 

Uma dica para acompanhamento do prato principal é apostar no arroz selvagem com castanhas. Além de exótico, o prato é uma excelente opção versátil, ou seja, combina com tudo!

Ingredientes:

  • 300g de arroz selvagem
  • 60g de manteiga
  • ½ maço de cebolinha verde picada (parte clara)
  • ½ maço de cebolinha verde picada (parte escura)
  • 100g de castanha-do-Pará picada
  • sal e pimenta a gosto 

Modo de preparo:

Cozinhe o arroz selvagem com sal, em fogo baixo, com panela tampada, até que fique cozido. Em outra panela, aqueça a manteiga e nela doure a parte clara da cebolinha e a castanha-do-pará. Acrescente o arroz, corrija o sal e tempere com pimenta. Retire do fogo e acrescente a cebolinha verde picada.

Sobremesa para as festas de fim de ano

Para fechar o cardápio da sua ceia de fim de ano com chave de ouro, a dica de sobremesa é investir em morangos com tâmaras. A forma de servir esta sobremesa vai depender da sua criatividade! 

Gostou do post? Então fique por aqui e descubra outros dois conteúdos incríveis do nosso blog:  

Suco de romã possui propriedades anticancerígenas

3 receitas que ajudam na quimioterapia


cancer-infantojuvenil-medquimheo.jpg

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), entre 2009 e 2013, o câncer foi responsável por cerca de 12% dos óbitos em crianças e adolescentes na faixa de 1 a 14 anos e, 8%, de 1 a 19 anos. O câncer infantojuvenil engloba vários tipos (para conferir mais sobre quais são, clique aqui). O que apresenta maior percentual de incidência é a leucemia. Somente na região sudeste são previstos, até o final de 2019, 4.460 casos e 190 só no Espírito Santo.

Nas crianças e adolescentes, a doença afeta as células do sistema sanguíneo, o nervoso e os tecidos de sustentação.

Alerta para os sintomas!

A oncologista da Medquimheo Morgana Stelzer, atenta para os sinais. “Como na fase inicial os indícios podem ser semelhantes a doenças comuns da infância, é importante que os pais, além de levarem a criança regularmente ao pediatra, atentem-se e deem valor às reclamações frequentes referentes a alguma dor ou desconforto que esteja sentindo”, alerta.

“Os profissionais de saúde, além de valorizarem as queixas, devem avaliar os sinais e, caso necessário, encaminhar a exames específicos para investigação, principalmente se a dor estiver recorrente”, completa.   

Saiba os indicativos mais comuns:

  • Perda de peso, palidez ou cansaço inexplicados;
  • Dores nos ossos, juntas, costas e fraturas fáceis;
  • Manchas roxas ao redor dos olhos ou pelo corpo;
  • Alteração no andar ou perda de equilíbrio e da fala;
  • Caroço em qualquer parte do corpo, principalmente na barriga;
  • Dores de cabeça por mais de duas semanas, acompanhadas ou não por vômitos;
  • Febre prolongada e inexplicada;
  • Reflexo esbranquiçado nos olhos, estrabismo recente, perda da visão ou crescimento do olho;
  • Sangramentos sem machucados.

Chances de cura chegam a 80%

Dr.Morgana tranquiliza e traz uma boa notícia! “O câncer infantojuvenil é altamente curável e responde muito bem ao tratamento da quimioterapia. O próprio Inca afirma que a taxa média de cura é de 80%”, conta.

Como conversar com os filhos sobre câncer?

Dialogar com uma criança ou adolescente sobre um assunto tão delicado quanto o câncer não é uma tarefa fácil, e nós sabemos disso. Mas existem algumas dicas que podem ajudar:

  1. Escolha um lugar tranquilo;
  2. Explique de maneira adequada, ou seja, use uma linguagem com palavras simples, que faça parte do vocabulário deles;
  3. Responda com honestidade todas as dúvidas que forem surgindo;
  4. Caso não saiba responder, diga: “Não sei, mas podemos tentar descobrir a resposta juntos”.

O mais importante é passar segurança e conforto!  

Em caso de dúvida, a Medquimheo está à disposição para ajudar. O câncer tem cura!

Fonte: Dra. Morgana Stelzer – oncologista clínica – CRM: 9269


bolinho-de-couve-flor-medquimheo-min.jpg

A couve-flor é uma hortaliça que merece estar sempre presente na sua alimentação, pois oferece uma grande quantidade de nutrientes. Além da vitamina C, B5, B6, B9, K e do manganês, contém antioxidantes que inibem os efeitos dos radicais livres. Segundo estudos do National Center for Biotechnology Information, a couve-flor é um dos alimentos que auxiliam no tratamento do câncer. Isso porque um dos seus componentes, o indol-3-carbinol, é responsável por prevenir mutações celulares.

Para facilitar e diversificar o consumo de alimentos saudáveis, várias receitas criativas são elaboradas. No post de hoje, vamos te ensinar a fazer um bolinho de couve-flor, uma receita simples e saudável. Continue lendo para não perder nenhum detalhe!

Bolinho de couve-flor

Ingredientes:

  • 1 unidade de couve-flor;
  • ½ unidade de cebola;
  • 2 colheres de sopa de azeite de oliva;
  • 1 colher de chá de sal;
  • 2 colheres de sopa de farinha de linhaça;
  • ¼ xícara de farinha de mandioca fina;
  • ½ colher de chá de cominho em pó;
  • ½ colher de chá de fermento.

Modo de preparo

Corte toda a couve-flor em pequenos ramos e lave em água corrente. Em seguida, cozinhe até que fiquem bem macios. Em um processador ou liquidificador, adicione e bata os pedaços de couve-flor já cozidos junto com a farinha de linhaça, o azeite, a cebola cortada em cubos e os temperos à gosto. Depois de esfriar, acrescente a farinha de mandioca e o fermento químico, misturando bem. Modele os bolinhos como preferir e coloque-os em uma forma, levando ao forno, já pré aquecido, cerca de 25 a 30 minutos a 180° ou até ficarem dourados e com uma casquinha crocante.

Com receitas como essa fica fácil ter uma alimentação saudável, não acha? Para ter acesso a mais conteúdos, como dicas e receitas, continue acompanhando o blog da Medquimheo!