BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Câncer de cabeça e pescoço

shutterstock_1966086250.jpg

Os cânceres de cabeça e pescoço atingem tumores da cavidade oral, boca, língua, palato mole e duro, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe, esôfago, tireoide e seios paranasais. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), a doença, que apresenta alta incidência entre os brasileiros, possui sintomas que se confundem com outras patologias, o que pode configurar diagnósticos tardios e diminuir as chances de cura. Por isso, é de extrema importância realizar consultas regulares, a fim de oportunizar o diagnóstico precoce. 

Para te explicar os principais fatores de risco e sintomas do câncer de cabeça e pescoço, nós, do Blog da Medquimheo, produzimos este conteúdo especial. Continue lendo para conferir!

Veja também: Qual a importância das vacinas para a prevenção do câncer?

🔎 Quais são os fatores de risco para cânceres de cabeça e pescoço?

Os fatores de risco para o surgimento de cânceres de cabeça e pescoço englobam, principalmente, tabagismo e consumo excessivo de bebidas alcoólicas, visto que, cerca de 70% dos casos possuem esse dois fatores como causa. Evitar a infecção pelo papilomavírus (HPV) também é uma forma de prevenir a neoplasia, que, segundo a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), acomete, principalmente, a região orofaringe, que engloba a base da língua, as amídalas e a parte lateral e posterior da garganta.

🩺 Quais são os principais sintomas?

Os sintomas do câncer de cabeça e pescoço podem incluir o surgimento de nódulos, feridas que não se cicatrizam, dor de garganta persistente, dificuldades para engolir e respirar, rouquidão por mais de três semanas e alterações repentinas na voz. Outros sinais que podem indicar tumores nessas regiões são:

  • 👄 Cavidade oral: 

Manchas brancas ou vermelhas na gengiva ou na língua; inchaço da mandíbula sem causa aparente e hemorragias ou dores persistentes na boca.

  • 🗣️ Faringe:

Dificuldades para respirar ou falar; dor ao engolir, dor no pescoço ou garganta; enxaquecas frequentes; zumbido nos ouvidos e problemas de audição.

  • 👃🏽 Cavidade nasal:

Canal nasal obstruído; infecções crônicas que não respondem ao tratamento com antibióticos; sangramentos pelo nariz; dores de cabeça frequentes; inchaço nos olhos e dor persistente nos dentes superiores.

  • 👅 Glândulas salivares:

Inchaço sob o queixo ou ao redor do maxilar; dormência e dor dos músculos da face; incômodo no pescoço persistente.

Caso apresente qualquer desses sintomas, é fundamental procurar um médico, para que o rastreamento do possível tumor seja realizado, o que pode implicar na realização de outros exames clínicos e biópsias mais detalhadas. Para isso, durante a consulta, serão analisados históricos clínicos individuais e familiares, além de exames físicos, com avaliações da cabeça e pescoço

“Para evitar os principais fatores de risco, é necessário incluir hábitos saudáveis na rotina e manter o cartão de vacinação atualizado. É importante frisar que alguns tumores costumam ser assintomáticos na fase inicial da doença, por isso é fundamental manter as consultas periódicas em dia, a fim de aumentar as chances de cura”.  

-Dra. Carolina Conopca, oncologista da Medquimhe.

💡 Conheça nosso blog!

Aqui em nosso Blog sempre encontrará materiais relevantes para mais saúde e qualidade de vida. Confira outros conteúdos que podem ser de seu interesse:

Saiba mais sobre o Câncer de Esôfago

Saiba mais sobre o Câncer de Laringe

Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca).



Até este sábado, 26, está em evidência a Campanha de Conscientização do Câncer de Cabeça e Pescoço, promovida por especialistas da área em todo o País.  O objetivo é instruir e alertar à população sobre os tumores que podem atingir essas duas partes do corpo. A língua, a laringe, faringe, as glândulas salivares, os seios nasais, a cavidade oral e a nasal estão entre os espaços que a doença pode afetar.

Wagner Gumz Segundo, cirurgião de cabeça e pescoço da clínica capixaba Medquimheo, conta que a incidência de câncer de boca, por exemplo, aumentou nos últimos anos, principalmente no sexo feminino devido ao aumento do tabagismo entre as mulheres. A doença afeta principalmente os homens acima de 45 anos. O tabagismo associado ao alcoolismo é um fator de risco, mas a má higiene bucal, infecções por HPV e a exposição à radiação UVA solar (câncer de lábio), também estão relacionados.

“Assim como é aliado no diagnóstico precoce do câncer de mama, o autoexame torna-se uma arma poderosa para o diagnóstico precoce e tratamento rápido do câncer de boca. Qualquer alteração encontrada e que não desapareça com facilidade pode ser um motivo de alerta e deve-se procurar o especialista (cirurgião de cabeça e pescoço). Tal profissional poderá avaliar a necessidade da realização de uma biópsia para a confirmação do diagnóstico”, disse o especialista.

Os sintomas geralmente são seguidos por feridas com ou sem bordas elevadas, que apresentam tons como branco e vermelho. Outro fator de alerta: no início os machucados não doem e não cicatrizam. Qualquer alteração de cor ou volume deve ser examinada imediatamente por um dentista ou por um médico. Dificuldade para falar ou engolir, emagrecimento rápido e o surgimento de nódulos no pescoço podem indicar o avanço do transtorno.

Para cada tumor há um tratamento diferente

Cada tumor irá apresentar um sinal e um tratamento diferente. “No câncer de laringe não é possível indicar o autoexame, mas o paciente pode ficar atento com alguns sintomas, tais como rouquidão constante, dificuldade para engolir e ínguas no pescoço. O que atinge a cavidade oral pode ser descoberto com uma simples consulta ao espelho. O mais importante é que cada pessoa entenda que o diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento. Em algumas situações, o tratamento conservador é suficiente, já em outras, será fundamental uma cirurgia. Cada caso apresentará uma demanda diferente”, completou.