BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Verão: saiba como se proteger do sol!

janeiro 8, 2019 0
verao-cancer-de-pele-medquimheo-e1548251060714.jpg

A estação mais quente do ano chegou e, com ela, os dias ensolarados à beira do mar ou da piscina. No entanto, mesmo durante as férias é preciso estar atento aos riscos da exposição ao sol, que pode causar câncer de pele, o tumor mais frequente no mundo e no Brasil. Só no Espírito Santo, serão mais de 1700 novos casos até o fim de 2019, de acordo com as estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

De acordo com a oncologista da Medquimheo, Dra. Carolina Conopca, há dois tipos de câncer de pele: o melanoma, mais raro e perigoso; e o não melanoma, mais frequente e menos grave. Ambos têm cura se descobertos logo no início e podem ser causados pela exposição prolongada e repetida ao sol.

Para reconhecer o câncer de pele é preciso ficar atento a alguns sinais. Entre eles, mudanças de cor, forma e tamanho em manchas ou pintas já existentes e feridas que não cicatrizam.

Câncer de pele: como se proteger?

O uso de protetor solar é muito importante para proteger a pele e diminuir o risco do câncer de pele. Além disso, é ideal evitar exposição ao sol entre 10h e 16h, procurar lugares com sombra e usar outros itens de proteção adequada, como roupas, bonés ou chapéus de abas largas, óculos escuros com proteção UV, sombrinhas e barracas.

“É necessário reaplicar o filtro solar a cada duas horas, durante a exposição solar, assim como após um mergulho ou grande transpiração. Mesmo filtros solares à prova d’água devem ser reaplicados. O recomendado é, no mínimo, FPS 30 com proteção a radiações UVA e UVB”, reforça a oncologista.

Como funciona o tratamento?

Na maioria dos casos, o tratamento do câncer de pele consiste em cirurgia para a retirada do tumor. No caso do melanoma, muitas vezes além de cirurgia pode ser necessária a quimioterapia ou radioterapia, a depender do estágio em que se encontra a doença. Já no não melanoma, o tratamento é essencialmente cirúrgico.

Fonte: Dra. Carolina Conopca – oncologista clínica – CRM: 11.130


Deixe um comentário

Campos obrigatórios estão marcados com *