BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

obesidade e câncer

câncer-de-mama-x-obesidade.jpg

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres. Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), indicam que, até o final deste ano, somente no Espírito Santo, cerca de 1.130 mulheres correm o risco de desenvolver este tipo de câncer. Mas, você sabia que a obesidade é um dos principais fatores de risco para doença?

De acordo com o nosso mastologista, Dr. Cleverson Gomes Jr., o excesso de gordura, além de alterar a produção de hormônios, aumenta o número de inflamações e a quantidade de insulina no organismo. Para entender ainda mais sobre essa relação, continue aqui com a gente.

Por que a obesidade é fator de risco para o câncer de mama?

Responsável pelo desenvolvimento das características femininas, o estrogênio é um hormônio gerado no tecido adiposo das mulheres. Quanto maior o excesso de gordura no corpo, maior será a quantidade de estrogênio produzida – o que indica perigo! “Como este hormônio influencia diretamente na produção das células mamárias, quando encontra-se em excesso no organismo, o risco de mutação, que leva ao câncer de mama, aumenta”, explica o especialista.

O risco de câncer de mama é maior em mulheres obesas na menopausa

É normal que conforme a idade avance, o risco do câncer de mama aumente também. No entanto, caso a mulher já tenha entrado na menopausa e além disso, esteja acima do peso, as chances de desenvolver a doença chegam a dobrar. “Nessa fase, o tecido mamário deveria repousar, mas como a gordura em excesso forma quantidades mais altas de estrogênio, a proliferação das glândulas mamárias continua acontecendo. O que, consequentemente, estimula o surgimento de células malignas, como o câncer de mama”, finaliza.

#DicaMedquimheo: Hábitos simples previnem o câncer de mama!

Como observamos no post de hoje, a obesidade tem relação direta com o câncer de mama. Felizmente, com hábitos simples, principalmente ligados à alimentação, os dois problemas são facilmente solucionados! Confira alguns deles:

  • Evite frituras: ao invés de consumir um peixe frito, por exemplo, prefira a opção assada ou grelhada;
  • Fuja do açúcar: opte por alimentos com baixo teor de açúcar. Substitua o chocolate ao leite por um com 70% de cacau;
  • Exercícios físicos: pratique, regularmente, atividades físicas.

Fonte: Dr. Cleverson Gomes Jr – mastologista – CRM: ES 8267

Confira outros conteúdos do Blog que também vão te interessar:

Câncer de mama: 4 sinais da doença!

A amamentação previne o câncer de mama. Entenda como!

5 dicas para lidar com o câncer de mama

#DicaDaNutri: alimentos que auxiliam no tratamento do câncer




Estudos comprovam que fatores como a obesidade e a vida sedentária podem aumentar a incidência de alguns tipos de câncer. Esses dois pontos, quando aliados, estão relacionados com 20% dos casos de câncer de mama, 50% dos carcinomas de endométrio (camada que reveste a parte interna do útero), 25% dos tumores malignos de cólon e 37% dos casos de adenocarcinoma de esôfago. Exercícios físicos têm o poder de ajudar a combater o câncer, depressão e até mesmo o mau humor, já que durante o processo o corpo libera substâncias como a endorfina e serotonina, responsáveis pelas sensações de bem-estar e alegria. Para reforçar a importância dessas atividades, profissionais da saúde promovem, no dia de março, 10, o Dia Nacional de Combate ao Sedentarismo.
 

Segundo o mastologista Dr.Anselmo Luiz Penna, da Medquimheo, a associação da obesidade com o sedentarismo pode resultar em diversos transtornos à saúde da mulher. “Mulheres obesas e sedentárias têm risco relativo aumentado para o câncer de mama”, alerta Penna.
 

De acordo com o fisioterapeuta especializado em oncologia Leo Henrique Pretti, atividades de resistência são aliadas do tratamento contra o câncer. “Levantam o astral dos pacientes que lutam para vencer a doença e melhoram até mesmo a qualidade do sono e humor. Ajudam, ainda, a trazer mais equilíbrio, coordenação e força muscular, já que a quimioterapia suga muita energia e traz efeitos colaterais. São ideais, também, em pré e pós-operatórios”, comenta Pretti.
 

Disciplina e comprometimento são fundamentais
 

Para Dinair Freitas Angelo, 42, a cada treino é uma emoção diferente. Ela é corredora há sete anos e já disputou diversas corridas no Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. “Chego a fazer 12km a cada treino. Minha carga horária é um dia sim, outro não. Quando chove ou acontece algum contratempo, fico angustiada, porque hoje não vivo mais sem me manter ativa. Agora, meu objetivo é participar de uma maratona no dia 27 de julho, em que terei que disputar os 42Km”, disse.
 

Engana-se quem pensa que a prática de atividades exclui a importância de hábitos alimentares saudáveis. Alimentos ricos em vitaminas e nutrientes são fundamentais para bons resultados e para uma saúde em dia. Dinair conta que precisou cortar muitos itens do cardápio para manter uma rotina melhor. “Frituras passam longe do meu prato. Essa escolha influenciou diretamente em minha vida de uma maneira que nem consigo dimensionar. Vale muito a pena”, completou.
 

Mudança de vida
 

A veterinária Inês Monteiro, 43, emagreceu 18 quilos com o auxílio de exercícios e uma alimentação equilibrada. Ela já participou de 27 corridas e, assim como Dinair, tem se preparado para uma maratona em julho. “Há três anos eu sigo uma rotina mais saudável. Minha vida mudou por completo e, hoje, até os meus exames têm demonstrado resultados mais satisfatórios. Além disso, os exercícios me ajudaram no combate a problemas como dor nas costas. A autoestima também melhorou e me sinto mais jovem”, pontua.