BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Medquimheo

câncer-de-estomago.jpg

Também conhecido como câncer gástrico, o câncer de estômago é um tumor maligno que pode afetar qualquer parte deste órgão. Geralmente, se inicia com uma úlcera, que provoca sintomas como azia, falta de apetite e dores no estômago. Aparece em 3º lugar na incidência entre homens e em 5º entre as mulheres.

Dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca) apontam que até o final deste ano cerca de 460 capixabas podem ter a doença. Desses, 310 são homens e 150 mulheres. No post de hoje, a oncologista clínica da Medquimheo, Carolina Conopca, vai te explicar um pouco mais sobre o câncer de estômago e te alertar para os fatores de risco. Continue lendo e confira!

Atenção aos fatores de risco do câncer de estômago!

  • Alimentação: alimentos mal armazenados e com pouca refrigeração, como salgados, defumados e embutidos, podem contribuir para o desenvolvimento do câncer de estômago. Além disso, uma dieta rica em carnes e pobre em frutas e vegetais também está associada à maiores chances de ter a doença;
  • Tabagismo: o risco de desenvolver o câncer de estômago dobra em fumantes;
  • Infecção por bactéria: o Helicobacter pylori (H. pylori) é uma bactéria que coloniza naturalmente a mucosa do estômago humano. Estudos mais recentes indicam que ela é capaz de causar alterações pré-malignas, que podem aumentar o risco de câncer.
  • Inflamação estomacal: sofrer de alguma inflamação do estômago por um longo período de tempo é sinal de alerta para procurar um médico com urgência.

Sintomas do câncer de estômago

Como não existem sintomas específicos do câncer de estômago, sua detecção torna-se mais difícil. Contudo, separamos alguns sinais que merecem atenção. Vale lembrar também que, caso sejam notados alguns deles, é preciso contar com um profissional para ter o diagnóstico certeiro. Confira:

  • Fadiga;
  • Azia grave e persistente;
  • Indigestão grave;
  • Náuseas e vômitos persistentes;
  • Sensação de inchaço após comer;
  • Dor de estômago;
  • Perda de peso sem explicação aparente.

Como é feito o diagnóstico do câncer de estômago?

Para realizar o diagnóstico da doença o médico pede exames, principalmente a endoscopia, por meio dessa é realizada a biópsia, para confirmar se o tecido afetado é mesmo canceroso. A tomografia computadorizada pode ser solicitada além de ressonância magnética.

Saiba como prevenir o câncer de estômago

Com medidas simples, você consegue reduzir drasticamente o risco da doença. Separamos as principais delas:

  • Comer mais frutas e legumes;
  • Reduzir a quantidade de alimentos salgados e defumados em sua dieta alimentar;
  • Parar de fumar.

Fonte: Dra. Carolina Conopca – oncologista clínica – CRM: 11.130

Separamos outros conteúdos do nosso Blog que também vão te interessar. Veja:

1. Exames oncológicos: como e quando fazer?

2. #DicaDaNutri: alimentação saudável começa na infância


Tabagismo.jpg

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o tabagismo é a principal causa de morte evitável no mundo. A oncologista da Medquimheo Carolina Conopca destaca um dado preocupante: o tabagismo pode causar cerca de 50 doenças, dentre elas vários tipos de câncer (pulmão, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero, leucemia). Isso pode ser explicado pelo fato de que um único cigarro contém, aproximadamente, 4.720 substâncias tóxicas, das quais pelo menos 70 são cancerígenas.

Especialista explica porque o cigarro vicia

O tabaco, presente no cigarro, charuto, cachimbo, rapé, narguilé, charro ou fumo mascado, contém uma substância chamada nicotina. Esta, é a grande responsável por causar dependência – similar, inclusive, àquela provocada pela cocaína. Isso porque, como é uma substância psicoativa, provoca, no organismo, sensação de prazer.

“A inalação constante da nicotina faz com que o cérebro se adapte e, para manter o mesmo nível de satisfação que tinha no início, o usuário sente a necessidade de doses cada vez maiores. Essa dependência está diretamente ligada às chances maiores de contrair doenças como o câncer e, até mesmo, a morte”, explica a especialista.

O que pode influenciar o tabagismo?

Para atrair pessoas a consumir cigarro e/ou derivados, a indústria do tabaco usa de algumas estratégias. A oncologista cita e explica cada uma delas:

  • Fácil acesso: é possível comprar cigarro na maioria dos bares, padarias e mercearias da cidade. Além disso, o preço é considerado acessível.
  • Inserção em grupos: principalmente durante a juventude, as pessoas começam a fumar para tentar se inserir em grupos;
  • Pais e ídolos como espelhos: é comum que os pais e até mesmo os ídolos sejam uma referência para os jovens. Portanto, caso estes consumam cigarro, as chances do jovem também começar a usar são maiores.

Fumantes passivos: o que são e quais as consequências?

Aquelas pessoas que convivem, constantemente, com fumantes, mesmo não sendo, são consideradas fumantes passivos. Para esses casos, também é preciso muita atenção, já que são gerados graves prejuízos! Como ficam expostos a componentes tóxicos, o risco de doenças cardíacas e cancerígenas aumenta consideravelmente.

Fonte: Dra. Carolina Conopca – oncologista clínica – CRM: 11.130

Conheça mais sobre alguns cânceres causados pelo tabagismo:

Tabagismo: muito além do câncer de pulmão!

Saiba mais sobre o câncer de esôfago

Câncer de laringe: fumantes têm 10 vezes mais chances


Doação-de-órgãos.jpg

Celebrado no próximo dia 27, o Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos tem como objetivo principal conscientizar a população sobre a importância de ser um doador de órgãos. Muito mais do que uma demonstração de empatia e generosidade, essa prática representa, para o paciente à espera do transplante, a única esperança de salvar sua vida. 

O Ministério da Saúde divulgou um balanço sobre a doação de órgãos e tecidos, realizados no país no primeiro semestre de 2018. Dados apontam crescimento de 7% no número de doadores efetivos, em relação ao ano anterior, passando de 1.653 para 1.765 doações. Como o intuito é que aumente cada vez mais, no post de hoje, nós, da Medquimheo separamos tudo o que você precisa saber para se tornar um doador de órgão.

Como ser um doador de órgãos após a morte?

De acordo com a lei nº 10.211, prevista na legislação brasileira, só é possível realizar a retirada dos órgãos para doação – após a morte – com a autorização dos membros da família. Ou seja, caso queira salvar inúmeras vidas, avise a eles desse seu desejo. Não é necessário registrar em documentos ou cartórios, basta que a família atenda ao pedido e autorize a doação de órgãos e tecidos.

Uma outra exigência que merece atenção é em relação ao tipo de morte, que precisa ser encefálica. Isso porque, somente assim os principais órgãos vitais permanecerão aptos para serem transplantados em outra pessoa. Além disso, a pessoa falecida por parada cardíaca pode doar tecidos, como córneas, pele, ossos, tendões e vasos sanguíneos.

Pessoas vivas também podem doar órgãos?

Sim, é possível ser um doador de órgãos enquanto estiver vivo! Para isso, é preciso estar saudável e realizar a doação sem prejudicar sua própria saúde. Ou seja, doar apenas os órgãos que não prejudicarão as aptidões vitais, como um dos rins ou parte do fígado.

Quais órgãos e tecidos podem ser doados?

  • Coração;
  • Pulmões;
  • Fígado;
  • Pâncreas;
  • Intestino;
  • Rins;
  • Córnea;
  • Valvas cardíacas;
  • Pele;
  • Ossos;
  • Tendões. 

Como a Medquimheo busca te manter sempre bem informado, confira outros dois conteúdos do Blog que também podem te interessar:

Quem pode doar sangue? Descubra todos os requisitos!

#DicaDaNutri: alimentação para o doador de médula óssea 


câncer-de-mama-x-obesidade.jpg

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres. Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), indicam que, até o final deste ano, somente no Espírito Santo, cerca de 1.130 mulheres correm o risco de desenvolver este tipo de câncer. Mas, você sabia que a obesidade é um dos principais fatores de risco para doença?

De acordo com o nosso mastologista, Dr. Cleverson Gomes Jr., o excesso de gordura, além de alterar a produção de hormônios, aumenta o número de inflamações e a quantidade de insulina no organismo. Para entender ainda mais sobre essa relação, continue aqui com a gente.

Por que a obesidade é fator de risco para o câncer de mama?

Responsável pelo desenvolvimento das características femininas, o estrogênio é um hormônio gerado no tecido adiposo das mulheres. Quanto maior o excesso de gordura no corpo, maior será a quantidade de estrogênio produzida – o que indica perigo! “Como este hormônio influencia diretamente na produção das células mamárias, quando encontra-se em excesso no organismo, o risco de mutação, que leva ao câncer de mama, aumenta”, explica o especialista.

O risco de câncer de mama é maior em mulheres obesas na menopausa

É normal que conforme a idade avance, o risco do câncer de mama aumente também. No entanto, caso a mulher já tenha entrado na menopausa e além disso, esteja acima do peso, as chances de desenvolver a doença chegam a dobrar. “Nessa fase, o tecido mamário deveria repousar, mas como a gordura em excesso forma quantidades mais altas de estrogênio, a proliferação das glândulas mamárias continua acontecendo. O que, consequentemente, estimula o surgimento de células malignas, como o câncer de mama”, finaliza.

#DicaMedquimheo: Hábitos simples previnem o câncer de mama!

Como observamos no post de hoje, a obesidade tem relação direta com o câncer de mama. Felizmente, com hábitos simples, principalmente ligados à alimentação, os dois problemas são facilmente solucionados! Confira alguns deles:

  • Evite frituras: ao invés de consumir um peixe frito, por exemplo, prefira a opção assada ou grelhada;
  • Fuja do açúcar: opte por alimentos com baixo teor de açúcar. Substitua o chocolate ao leite por um com 70% de cacau;
  • Exercícios físicos: pratique, regularmente, atividades físicas.

Fonte: Dr. Cleverson Gomes Jr – mastologista – CRM: ES 8267

Confira outros conteúdos do Blog que também vão te interessar:

Câncer de mama: 4 sinais da doença!

A amamentação previne o câncer de mama. Entenda como!

5 dicas para lidar com o câncer de mama

#DicaDaNutri: alimentos que auxiliam no tratamento do câncer


Agosto-Verde-Claro.jpg

A conscientização e a prevenção do linfoma são pautadas neste mês, com a campanha nacional do Agosto Verde Claro. O linfoma é um tipo de câncer que inicia nas células do sistema linfático. O linfoma de hodgkin pode ter início em qualquer lugar do corpo, mas acontece com mais frequência nos gânglios linfáticos, especialmente no tórax, pescoço e axilas. O linfoma não hodgkin acomete com mais frequência adultos – inicia geralmente gânglios e tecidos linfáticos, mas também pode atingir a pele, com o linfoma da pele, por exemplo.

As principais diferenças estão nas características malignas das células, que podem ser identificadas após biópsia e análise de um especialista.

Importância do diagnóstico precoce do linfoma

Como acontece com qualquer tipo de câncer, o linfoma quando descoberto em sua fase inicial, possui uma taxa de resposta muito maior e positiva ao tratamento. É importante ficar atento às alterações do corpo e o aparecimento dos sinais.

Quais são os sintomas do linfoma de hodgkin?

  • Aumento dos linfonodos, sem motivo aparente;
  • Suor excessivo durante à noite;
  • Febre;
  • Perda de peso;
  • Coceira;
  • Sensação de cansaço;
  • Perda de apetite;
  • Tosse e dificuldade em respirar podem ocorrer, quando o tórax é afetado.

E os sinais do linfoma não hodgkin, quais são?

  • Aumento dos linfonodos;
  • Inchaço na região do abdômen;
  • Pressão no peito;
  • Hematomas ou hemorragias;
  • Calafrios;
  • Perda de peso;
  • Infecções frequentes;
  • Febre;
  • Sudorese noturna;
  • Coceira pode ocorrer nos casos de linfoma na pele;
  • Na região do cérebro, o linfoma pode gerar dores constantes de cabeça e até causar convulsões.

Tratamento do linfoma

Cada tipo precisará ser avaliado por um profissional, que indicará o melhor tratamento do linfoma. Quimioterapia, transplante de medula, imunoterapia e radioterapia são algumas das opções.

Prevenção do linfoma

Parte da prevenção do linfoma está com os hábitos e estilos de vida. Opte por uma vida mais saudável, guiada por uma alimentação saudável e com a prática de exercícios físicos.

Apoie o Agosto Verde Claro você também

Nós, da Medquimheo, apoiamos a causa do Agosto Verde Claro. Compartilhe essa informação com amigos e familiares e vamos, juntos, na luta contra o câncer!

Dicas extras Medquimheo

Se você gostou deste material, sugerimos a leitura de outros que também podem te interessar:

Linfoma é o 2º tipo de câncer que mais atinge jovens

Dica da nutri sobre alimentação para doador de medula óssea

Imunoterapia: saiba o que é

Até o próximo post!

Fonte: Dra. Carolina Conopca – oncologista clínica – CRM: 11.130


Anemia-falciforme-Importância-de-beber-água.jpg

Genética e hereditária, a anemia falciforme é uma doença que se caracteriza pela deformação dos glóbulos vermelhos – responsáveis pelo transporte de oxigênio no corpo. O normal é que sejam arredondados e elásticos, no entanto, como sofrem modificações, adquirem o formato de uma foice e endurecem. O resultado é a dificuldade do sangue passar pelos vasos de pequeno calibre, ou seja, os tecidos recebem uma quantidade menor de oxigenação. No post de hoje, a nutricionista da Medquimheo, Naira Fraga, destaca a importância do consumo de água no tratamento da anemia falciforme. Confira!

Quais as causas da anemia falciforme?

Citamos no início deste texto que a anemia falciforme é uma doença hereditária. Portanto, para ser portador, é necessário que o gene alterado seja transmitido pelo pai e pela mãe. No caso de apenas um dos pais transmitir, a criança não desenvolve a doença, mas pode passar o gene defeituoso para as futuras gerações.

Principais sintomas da anemia falciforme

A anemia, por si só, já causa fadiga, fraqueza e palidez. Além disso, é comum que pessoas com anemia falciforme tenham icterícia – quando a pele e os olhos ficam amarelados. Mas, o principal sintoma dessa doença é a crise aguda de dor. Apesar de poder atingir qualquer parte do corpo, os ossos e as articulações são as regiões mais afetadas. O tempo de duração varia e as crises de dores são acentuadas nos dias frios, durante a TPM, durante infecções, em pessoas com problemas emocionais, nas grávidas e naquelas desidratadas.

Como o consumo de água auxilia na anemia falciforme?

Naira explica como o consumo de água ajuda a minimizar ou até mesmo evitar as crises de dores da anemia falciforme. “O ideal é beber de dois a três litros de água ao longo do dia, inclusive na época de frio. Uma maior ingestão de água torna o sangue menos viscoso, o que melhora a circulação nos vasos sanguíneos”, conta a especialista.

Separamos mais três conteúdos que também podem te interessar. Confira:

  1. Light x Diet: entenda a diferença!
  2. Saiba de que forma a alimentação influencia na qualidade do seu sono
  3. Descubra quais são os alimentos que auxiliam no tratamento do câncer

Fonte: Naira Marceli Fraga Silva – nutricionista – CRN4: 15101252.


Câncer-de-cabeça-e-pescoço.jpg

O mês de julho é conhecido como Julho Verde. Mas você sabe por quê? Trata-se de uma campanha realizada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP), junto com a Associação de Câncer de Boca e Garganta (ACBG Brasil). Tem como intuito principal, conscientizar a população sobre a prevenção dos tumores de cabeça e pescoço, que atingem boca, língua, palato mole e duro, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe, esôfago cervical, tireoide e seios paranasais.

No dia 27 de julho, comemora-se o Dia Mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço. Como nós, da Medquimheo, abraçamos esta causa, no post de hoje você confere mais detalhes sobre a iniciativa.

#JulhoVerde

A oncologista da Medquimheo Carolina Conopca, conta que para conseguir conscientizar as pessoas e, assim alcançar o objetivo da campanha, são feitos alertas sobre os fatores de risco do câncer de cabeça e pescoço. “O tabagismo, consumo de álcool, as infecções por HPV e o excesso de exposição solar são alguns deles. A data reforça, também, a importância do diagnóstico precoce”, explica a especialista.

Importância do autoexame

As chances de cura aumentam, significativamente, caso a doença seja detectada no início. Feridas na boca que não cicatrizam há mais de duas semanas ou inchaços no pescoço, que são alguns dos sintomas, podem ser identificados por meio do autoexame.

Outros sintomas do câncer de cabeça e pescoço

Na fase inicial da doença, os tumores costumam ser assintomáticos, ou seja, não apresentam sinais. No entanto, nossa oncologista relata, que, à medida que se desenvolvem, geralmente causam:

  • Dor local;
  • Dificuldade para engolir;
  • Nódulo persistente no pescoço;
  • Lesão na boca que não cicatriza;
  • Rouquidão por mais de três semanas, principalmente em fumantes e consumidores frequentes de bebidas alcoólicas.

A Medquimheote convida a abraçar também a campanha #JulhoVerde.

Aproveite para continuar acompanhando os posts do blog e fique por dentro de informações relacionadas ao câncer.

Fonte: Dra. Carolina Conopca – oncologista clínica – CRM: 11.130


sanduíche.jpg

A quimioterapia pode causar diversos efeitos colaterais ao paciente em tratamento de câncer. Nas primeiras horas, ou até alguns dias após o uso da medicação, podem ocorrer náuseas, alteração do paladar e falta de apetite. Todos esses sintomas são capazes de tornar a alimentação um momento difícil.

Para que a alimentação seja facilitada no dia a quimioterapia, a nutricionista da Medquimheo Naira Fraga reuniu dicas de lanches saudáveis e fáceis de preparar!

Opções de lanches para os dias de quimioterapia

A nutricionista explica que, alimentar-se a cada três horas, com pequenas porções, é uma ótima estratégia para os dias de tratamento. No momento de náuseas intensas, é indicada a ingestão de alimentos de textura mais seca. Alguns exemplos são os vegetais desidratados na forma de chips como mandioca, banana, batata e milho. Eles podem ser consumidos sozinhos ou com patês naturais, conforme a indicação da nutricionista.  

O sanduíche com recheio de patê de frango desfiado, com creme de ricota e hortelã ou manjericão é uma ótima sugestão de lanche saudável para ser experimentado. “Outra comida de fácil preparo e também nutritiva é a salada de macarrão com frango e legumes”, acrescentou.

Picolés cítricos como limão ou abacaxi são opções refrescantes que ajudam no controle de náuseas e perda do paladar. O mesmo vale para as frutas cítricas, que podem ser consumidas geladas ou na forma de sucos como de abacaxi com hortelã, de laranja com morango ou maracujá. Também pode ser feito um milk shake saudável em casa com frutas congeladas como banana e maracujá batidas no liquidificador com leite.

“Salpicar uma colher de leite em pó sobre as frutas ou na salada de fruta faz com que os lanches se tornem mais nutritivos sem deixá-los pesados”, acrescentou.

Como reduzir a náusea e a alteração do paladar?

Para reduzir a náusea durante o tratamento de câncer, a nutricionista indica que os pacientes podem dar preferência a alimentos mais frios ao invés dos quentes.

“Ingerir algo levemente ácido antes das refeições como suco de limão ou maracujá, molhos de limão para as saladas ou ralar o limão congelado por cima da comida também pode auxiliar no controle da náusea e da alteração do paladar”, disse Naira.

Veja também aqui no Blog alimentos que auxiliam no tratamento do câncer.

Fonte: Naira Marceli Fraga Silva – nutricionista – CRN4: 15101252.


cuidados-couro-cabeludo.jpg

A alopecia, ou queda de cabelos, é uma das consequências mais temidas pelos pacientes em tratamento de quimioterapia. A dermatologista da Medquimheo Dra. Mary Lane Alves Nemer explica que, dependendo dos medicamentos usados, a queda de cabelos pode ser total – o que é mais comum – ou até não ocorrer.

A ausência abrupta dos cabelos gera a necessidade de um cuidado diferente com o couro cabeludo que fica mais exposto ao sol, ao frio e a traumas, enfatiza a dermatologista. Para essa fase, a Dra. Mary Lane indica que o uso do filtro solar com alto fator de proteção, de preferência em loção e de boa qualidade, é fundamental na exposição do paciente ao sol.

Outras formas de proteção

O uso de lenços e outros adereços capilares conferem estilo, melhoram a autoestima e também oferecem proteção solar.

“Chapéus, bonés, toucas, perucas e lenços são formas de proteção física para o couro cabeludo e o uso deve ser orientado e estimulado”, enfatizou a dermatologista.

Higiene do couro cabeludo

A higiene do couro cabeludo é outro cuidado importante durante o tratamento quimioterápico. A dermatologista explica que, enquanto os cabelos não estão crescendo, o sabonete usado para o corpo pode ser usado na cabeça, desde que seja sem perfume, hidratantes ou neutros e em pequena quantidade.

“Quando os cabelos estiverem nascendo, poderão ser usados shampoos neutros, shampoos para bebês ou para couro cabeludo sensibilizado. Se o paciente tiver couro cabeludo oleoso ou qualquer outra doença prévia, deve pedir orientação ao seu oncologista ou dermatologista para saber os produtos mais indicados para sua pele”, orienta a dermatologista.

Resumo dos cuidados com o couro cabeludo durante a quimioterapia:

  1. Usar protetor solar com alto fator de proteção no couro cabeludo quando for se expor ao sol.
  2. Chapéus, bonés e lenços são indicados para proteger do sol e do frio. O couro cabeludo fica muito mais exposto aos raios solares e, por isso, o paciente deve sempre fazer uso desses acessórios, com preferência aos que tenham proteção FPS.
  3. É indicado higienizar a cabeça com sabonete enquanto os cabelos não estão crescendo. O sabonete deve ser hidratante, sem perfume e usado em pouca quantidade.
  4. Quando o cabelo estiver crescendo, o cabeça pode ser higienizada com shampoos para bebês ou shampoos para couro cabeludo sensibilizado com pH neutro.

Esperamos que as dicas possam ajudar!

Achamos que outros conteúdos de nosso Blog também podem colaborar. Veja algumas sugestões:

10 dúvidas comuns sobre quimioterapia

Como a crioterapia pode ser aliada durante sua quimioterapia?

Oncologia em Vitória


Junho-vermelho.jpg

Você sabe o que é o Junho Vermelho? A Organização Mundial de Saúde (OMS) celebra no dia 14 de junho o Dia Mundial do Doador de Sangue. O intuito é sensibilizar as pessoas e ressaltar a importância da doação de sangue, que salva vidas.

Um dos principais objetivos da campanha é alertar para a importância de fazer a doação em junho. O ato de doar sangue é fundamental para que sejam realizadas intervenções médicas urgentes de grande porte e complexidade, como transfusões, transplantes e procedimentos oncológicos.

A doação de sangue pode salvar a vida de pacientes com doenças crônicas graves, como Doença Falciforme e Talassemia, ajudando essas pessoas a viverem por mais tempo e com mais qualidade e bem-estar. O sangue também é de vital importância para tratar feridos em situações de emergência ou calamidades.

Como é feita a doação de sangue

A hematologista da Medquimheo, Alessandra Prezoti, ressalta que a doação de sangue é um ato simples e rápido, mas de extrema importância. “A coleta leva em torno de 10 minutos. O procedimento é totalmente seguro e não oferece riscos, porque nenhum material usado é reutilizado. O sangue passa por testes para detectar impurezas que podem prejudicar o receptor e, só depois de uma avaliação positiva, ele é utilizado”, acrescentou.

Requisitos para doação

Um dos requisitos para doar sangue é ter entre 16 e 69 anos. Há duas restrições: os menores de 18 anos precisam da autorização dos responsáveis legais e a primeira doação deve ser feita, obrigatoriamente, até os 60 anos.

O interessado precisa apresentar um documento original com foto, preencher um cadastro com informações básicas e responder a um questionário. Em seguida, passará por uma triagem para examinar sinais vitais como pressão, pulso e temperatura. O espaço de tempo entre as doações para aqueles que já são doadores são de dois meses para os homens e três meses para as mulheres.

Fonte: Alessandra Nunes Loureiro Prezotti, hematologista, CRM-ES 6782.