BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Leucemias Agudas



 

Quando se fala em câncer e gravidez é comum que existam dúvidas entre a grande maioria das mulheres. Questões como fertilidade, produção de leite e interferência da quimioterapia durante a gestação são frequentes nesses casos. Especialistas informam que as grávidas estão propensas, como todas as mulheres, a desenvolver diversos tipos de câncer. Alguns são ainda mais comuns nesta fase, como o câncer de mama, em virtude das alterações hormonais que ocorrem durante essa etapa.

 

De acordo com o mastologista Cleverson Gomes do Carmo Júnior, da Medquimheo, o câncer, por si só, não é capaz de causar problemas de saúde ao feto. “No entanto, o tratamento do câncer pode trazer consequências, e, em alguns casos, a legislação brasileira permite a indicação de aborto terapêutico para que o tratamento da doença materna seja realizado. Em caso de quimioterapia, se o tumor for detectado muito precocemente, ainda na fase de formação do embrião, ela pode prejudicar definitivamente na saúde do bebê, de forma que, em nome da saúde da mãe e do filho, é recomendado o aborto terapêutico. Contudo, se o câncer surgir em fases posteriores da gravidez, em especial após o primeiro trimestre de gravidez, a quimioterapia é segura de ser realizada, na maioria das vezes, e segue, quase sempre, de maneira convencional, sem prejudicar o bebê”, esclarece. 

Fertilidade após o tratamento

Todos os tratamentos oncológicos visam a prejudicar o mínimo possível o futuro reprodutivo feminino. Mesmo em casos de câncer de colo uterino, ovário ou de mama, em que os tratamentos podem cursar com cirurgias e radioterapia, é possível promover o tratamento adequado casado com o desejo da paciente em ser mãe.

Mas cada tipo de câncer tem a sua peculiaridade. Em se tratando do câncer de pele, não é necessário um intervalo longo entre o tratamento e a gravidez posterior. “Alguns cânceres como as leucemias e os cânceres ginecológicos podem exigir um tempo maior entre o fim do tratamento e a gravidez, já que os hormônios da gestação podem incentivar o surgimento de recidivas ou de novos tumores”, alertou o médico.

Produção de leite

Ainda de acordo com o mastologista, às vezes, a amamentação pode ser comprometida pela cirurgia, mas, como regra geral, a produção de leite materno não é prejudicada.

 




No dia 23 de novembro, comemora-se em todo o país o Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil, instituído em abril de 2008. A Confederação Nacional de Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer (CONIACC) busca mobilizar a sociedade a promover o “Novembro Dourado”. O objetivo é criar ações de alerta para a importância do combate ao câncer em pessoas de 5 a 19 anos.

De acordo com o oncologista pediátrico da Medquimheo, Dr.Carlos Magno Bortolini, o câncer é a doença que mais mata crianças e adolescentes. “No Espírito Santo, profissionais ligados aos programas de tratamento do Câncer Infantojuvenil e à Associação Capixaba Contra o Câncer Infantil (Acacci), divulgam medidas que podem ajudar às famílias a ficarem atentas aos sinais e sintomas relativos da doença”, detalha.

Informações do Instituto Nacional do Câncer (Inca), no Brasil, demonstram que a estimativa de novos casos de câncer infantojuvenil é de 4 mil a 19 mil, por ano. “Desse total, poucos são diagnosticados. Muitos são encaminhados aos centros de tratamento com a doença já em estágio avançado.  Um dos objetivos do movimento é estimular ações educativas e preventivas, tornando os sinais do transtorno conhecidos ao maior número de pessoas”, explica Bortolini.
 

Alertas

Levar as crianças e adolescentes regularmente ao pediatra, e observar qualquer mudança no comportamento ou corpo dos filhos, são medidas que têm uma importância muito elevada, quando o assunto é câncer. “A arma principal contra o tumor é o diagnóstico precoce. Os pais, médicos, agentes de saúde e até os professores podem ser aliados para reforçar medidas preventivas. O medo da doença e a falsa ideia de que o câncer não tem cura, terminam por retardar o tratamento”, reforça o oncologista.

As leucemias, câncer do sangue, são as formas mais comuns de câncer na população infantojuvenil, seguidas pelos tumores cerebrais e os linfomas, sendo que este último acomete os gânglios ou nódulos linfáticos, popularmente conhecidos como ínguas. “Os tumores renais e ósseos, neuroblastomas, tumores do fígado, retinoblastoma (acomete o globo ocular) e os de células germinativas (de ovários e testículos), vêm a seguir”, destaca.

 

Sintomas

Ainda de acordo com o oncologista, cada tumor apresenta sinais isolados. Leucemias Agudas, por exemplo, costumam gerar febre e dores. Sangramentos espontâneos de mucosas, palidez, manchas roxas ou equimoses pelo corpo, crescimento do fígado e do baço e de gânglios ou ínguas também são sintomas.  

Os tumores cerebrais podem provocar vômitos frequentes e inexplicados, acompanhados de cefaléia, alteração da visão, estrabismo súbito, perda do equilíbrio, convulsão, alteração do comportamento, fala arrastada e dificuldade para andar.

Os linfomas causam febre, palidez, sudorese noturna e emagrecimento. Ínguas de crescimento rápido e contínuo, sem relação com infecção, geralmente, indolores também são sinais de alerta. Elas podem causar dificuldade para respirar.

Tumores ósseos criam um aumento de volume em projeção de um osso (geralmente de membros como o quadril), com ou sem dor, sem relação com trauma local. Às vezes febre.

Retinoblastoma, ou “Tumor do olho”, gera um aumento do volume do olho, manchas esbranquiçadas na pupila, alteração da visão e dor.

 

Tratamento

O tratamento varia para cada tipo de tumor. Às vezes apenas a cirurgia pode ser resolutiva.  Em alguns casos, são necessárias a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia. Considerando todos os tipos de câncer na infância e adolescência, os índices globais e atuais de cura, chegam aos animadores índices de 70%.