BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Dra. Morgana fala sobre a relação entre obesidade e câncer

julho 24, 2014 0

obesidade-cancer-relacaoA obesidade é o mal do século. Doenças no coração, problemas respiratórios e diabetes são alguns dos resultados dos quilos a mais na balança. Dados do Instituto de Métrica e Avaliação para a Saúde (IHME) apontam que mais de 2,1 bilhões de pessoas no mundo são obesas – entre crianças e adultos. De acordo com especialistas da saúde, a grande preocupação é que o problema evolua ainda mais, e de forma desenfreada, à medida que as rendas dos países emergentes crescem.

Vale destacar que o sobrepeso pode ser considerado a partir de um índice de massa corporal maior ou igual a 25 e menor que 30. A obesidade, por sua vez, é caracterizada por um IMC maior ou igual a 30. Para se ter uma ideia, no Brasil, 52,5% dos homens com mais de 20 anos apresentam um desses fatores e, 58,4% das mulheres, da mesma faixa etária, também.

Estudos da Organização Mundial da Saúde demonstram que a obesidade estreita a relação com alguns tipos de câncer, tais como o de mama, cólon, esôfago, tireoide, rim e bexiga. De acordo com a oncologista Morgana Stelzer, da Medquimheo, entre as hipóteses que associam o peso ao surgimento do tumor, está a regulação hormonal, que é afetada negativamente pelas células gordurosas. “O aumento de peso torna-se um meio favorável para o desenvolvimento de tumores, porque as células, inclusive as cancerígenas, também crescem com muito mais facilidade quando há excesso de gordura”, explica.

Prevenção da doença está a um passo do que se põe ao prato

Uma alimentação regrada e livre de produtos processados e gordurosos é a chave para maior qualidade de vida. Manter o peso ideal só é possível com comprometimento e a partir de uma dieta rica em vegetais, grãos integrais, vitaminas, frutas e fibras. “É possível, sim, evitar o câncer com hábitos regulares e o cuidado correto com a saúde. Mas é preciso lembrar que o surgimento de qualquer tipo de tumor vai além do peso. Histórico familiar da doença, consumo de drogas, tabaco, álcool, dentre outros, são alguns fatores que também propiciam o desenvolvimento da doença”, esclarece.