BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Quimioterapia

shutterstock_410426641.jpg

A apneia do sono pode gerar muitas complicações na vida de uma pessoa. Se essa passa por tratamento de câncer é preciso ainda mais cuidados para que a obstrução das vias aéreas nasais não prejudique.

Pacientes oncológicos precisam ter um cuidado especial com a saúde do sono também. Uma boa noite de descanso pode garantir mais energia para o dia a dia e prevenir irritabilidade, depressão e indisposição. Confira neste material mais informações e como tratar esse distúrbio do sono.

O que é apneia do sono?

A apneia do sono ocorre quando os músculos da garganta relaxam durante o sono obstruindo a passagem do ar, impedindo a respiração. Isso envia uma mensagem de perigo ao cérebro, que desperta por alguns segundos, retomando a respiração.

Esse tipo de distúrbio é comum em pacientes em tratamento de câncer, como afirma Dra. Carolina Conopca, oncologista da Medquimheo: “A apneia do sono está principalmente relacionada à obesidade, sexo masculino e envelhecimento. Esses mesmos fatores de risco também são comuns ao desenvolvimento de alguns cânceres”.

Para entender mais sobre os riscos dessa patologia, a Dra. Carolina explica “os pacientes desenvolvem sintomas como hipersonolência diurna, falta de atenção, depressão e sensação de perda da capacidade de organização, tudo isso atrapalha o bem-estar físico e psicológico”.

Como tratar esse distúrbio do sono?

Para fazer o tratamento correto da apneia do sono, Dra. Carolina recomenda atenção especial à dieta e ao consumo de bebidas alcoólicas, além de procurar um médico especialista em medicina do sono, que poderá indicar o exame de Polissonografia.

CPAP para apneia do sono

Este exame, caso positivo para apneia do sono, pode indicar o uso do CPAP, “aparelho que administra uma pressão positiva de ar, que destina-se a manter as vias aéreas superiores desobstruídas durante o sono e, consequentemente, a evitar o colapso faríngeo” esclarece a Doutora.

Para descobrir outras causas e a identificação da apneia do sono, clique aqui e saiba mais sobre este tema.

Fique de olho em nosso Blog! Sempre temos uma novidade sobre saúde e bem-estar para você!

Fonte: Dra. Carolina Conopca CRM: ES 11.130


quimioterapia-crioterapia-capilar.jpg

Quando se ouve falar em crioterapia, ela geralmente está relacionada a procedimentos estéticos para “perda de gordura”, não é mesmo? Mas você sabia que a técnica também pode ser utilizada nos cabelos, para evitar a queda dos fios em decorrência da quimioterapia? A oncologista da Medquimheo, Dr. Carolina Conopca conta um pouco mais neste post. Continue lendo!

O diagnóstico de câncer representa uma mudança muito grande na rotina. Além de lidar com a doença, os pacientes também enfrentam os efeitos colaterais, como náuseas, desconfortos, entre outros. A queda de cabelo também é uma das principais consequências da quimioterapia. No caso das mulheres, é comum que a autoestima seja afetada por isso.

A queda dos fios acontece porque a quimioterapia atua tanto nas células cancerígenas quanto nas saudáveis, atingindo inclusive os folículos pilosos, responsáveis pela produção dos cabelos, fazendo com que caiam.

A crioterapia previne a queda?

Segundo Dra. Carolina, em parte, previne a queda, sim! Ela explica que a crioterapia capilar “consiste em um sistema de resfriamento do couro cabeludo por meio de ar refrigerado conduzido por uma touca térmica, que a paciente usa durante as sessões do tratamento”.

De acordo com a médica, essa prática antes, durante e depois da quimioterapia reduz o fluxo sanguíneo nos folículos pilosos, preservando-os. Ainda assim, ela alerta que mesmo com a utilização da touca de resfriamento, é esperada a queda moderada dos fios, entre 30 e 50%.

Melhora da autoconfiança

É importante deixar claro que a crioterapia capilar não apresenta benefícios ou prejuízos quanto à eficácia da quimioterapia no tratamento do câncer. Mas, como conta a médica da Medquimheo: “Os ganhos estão no fato da técnica promover uma melhora na autoconfiança”.

Nossa psicóloga Gabriela Simmer também contribuiu com sua opinião, aqui para o Blog: “Muitas pessoas relacionam a autoestima somente a uma questão estética, mas vai muito além”, conta. De acordo com a profissional, quando a paciente está bem consigo, ela se sente mais forte e, portanto, mais preparada para enfrentar a quimioterapia.

Aqui na Medquimheo, nossa equipe está preparada para dar toda a assistência necessária durante o tratamento.

Caso tenha ficado com alguma dúvida, conte para nós nos comentários!



A quimioterapia é uma das etapas mais importantes na luta contra o câncer por consistir no combate às células malignas. O tratamento, feito sempre sob orientação médica, introduz na circulação sanguínea compostos químicos, chamados quimioterápicos, capazes de destruir o tumor e impedir seu alastramento pelo organismo.
Dependendo do caso, as medicações podem ser levadas para fazer uso em casa, de forma oral ou injetável, sendo fundamental seguir as orientações quanto ao armazenamento da medicação da quimioterapia fornecidos pela clínica. 
A farmacêutica da Medquimheo Priscila Spalenza Schimidt, dá algumas orientações fundamentais para pacientes que levam a medicação da quimioterapia para casa. Confira:  
– Siga sempre os horários e a forma de tomar a medicação como o médico prescreveu. Tenha atenção ao tomá-las, pois alguns remédios possuem nomes parecidos, o que pode causar dúvidas. Caso isso ocorra, consulte o seu médico ou farmacêutico;
– Siga as orientações sobre o transporte da medicação para casa, e, caso precise de refrigeração, a clínica fornecerá uma bolsa térmica com gelo que deve ser usada sempre que precisar buscar novas medicações;
– Você receberá a quantidade de medicação necessária para o total de dias de tratamento. Se estas forem drágeas ou cápsulas, não abra ou divida-as;
– Sempre informe sobre o uso de outras medicações, inclusive, do uso de medicamentos fitoterápicos, chás, misturas de ervas, pois alguns interagem com a quimioterapia e podem atrapalhar o seu tratamento;
– As mulheres não podem engravidar ou amamentar durante a quimioterapia, salvo sob orientação específica do seu médico. Deste modo, busque o melhor método contraceptivo com o médico que a acompanha.
– Se sua medicação for composta de seringas e agulhas e/ou frascos de vidro, armazene-as em recipiente rígido com tampa (garrafa pet, lata de leite em pó, etc) e no final do uso, devolva-as a clínica. As demais caixas e blisters deverão ser devolvidas a clínica ao final de cada uma. Para sua maior comodidade, essas medicações poderão ser devolvidas a clínica quando você tiver uma nova consulta.
– Não use medicações com o prazo de validade vencido, pois estas podem te fazer mal ou não atingir o efeito esperado.
– Sempre lave as mãos com detergente neutro, antes e depois de tomar as medicações. Se for necessário que outra pessoa entregue a medicação para o paciente tomar, faça-a por meio de um copinho descartável ou uma gaze;
– Sempre confira na embalagem a temperatura de armazenamento das medicações. Estas serão:
  • Armazenar entre 2 a 8C: estas deverão ser guardadas nas prateleiras localizadas do meio da geladeira;
  • Armazenar entre 25 e 30oC: estas deverão ser guardadas em local fresco e livre de umidade, também não pode ser em local que pegue sol, direta ou indiretamente;
  • Armazenar entre até 25C: estas deverão ser guardadas em geladeira, também nas prateleiras do meio;
  • As medicações nunca devem ser guardadas na porta da geladeira ou no congelador.


A sessões de quimioterapia compõem uma das principais armas na luta contra o câncer. As aplicações, que têm a periodicidade adequada ao tipo de tratamento, agem no organismo de maneira curativa, eliminando a doença, ou como controle, prologando a vida do paciente.
Os remédios utilizados no tratamento recebem o nome de agentes quimioterápicos, podendo ser ingeridos ou administrados de forma injetável. Ao contrário da radioterapia, que tem ação restrita à região em que é aplicada, a quimioterapia atua de forma sistêmica, alcançando as células do câncer em qualquer região do corpo.
Alguns cuidados são importantes no dia da aplicação da quimioterapia. Preparamos algumas dicas para orientar os nossos pacientes para esta etapa tão especial do tratamento. Confira!

Organize-se para a quimioterapia

Vá para as sessões de quimioterapia com bastante tempo livre, evitando marcar compromissos no mesmo dia. Os medicamentos são preparados somente após a chegada do paciente à clínica e a liberação do médico que o acompanha, sendo um processo que leva tempo.
Programe-se para chegar 15 minutos antes, e, em casos de não comparecimento e/atrasos, informe à clínica.

Acompanhante

Alguns medicamentos podem causar sonolência. Vá com alguém que te ofereça conforto e segurança.

Exames

Caso tenha realizado exames em outros lugares, leve-os no dia da aplicação para que seu médico os avalie. Sempre que for às sessões, leve consigo as medicações de uso oral que deverá tomar durante sua permanência no tratamento.

Alimentação no dia das sessões de quimioterapia

No dia da aplicação, não faça jejum. O ideal são refeições pequenas e leves, evitando alimentos muito condimentados e gordurosos. Nossa nutricionista estará sempre a sua disposição.

Sinta-se confortável

Use roupas confortáveis, Dependendo de seu tratamento , você poderá precisar permanecer muito tempo na sala de medicação. Lembre-se também que o ambiente, geralmente, é climatizado e oscilações de temperatura podem ocorrer. Por isso, leve um agasalho.

Periodicidade da quimioterapia

Todo tratamento segue protocolos que determinam a repetição dos medicamentos de acordo com prazos pré-estabelecidos. É importante respeitar esses agendamentos para buscar os melhores resultados.