BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Oncologia Pediátrica


hemofilia-pode-surgir-infanciaTranstorno do sangue caracterizado por uma desordem no mecanismo de coagulação, a hemofilia não é tão conhecida entre a população em geral. Acomete geralmente pessoas do sexo masculino e, em torno de 70% dos casos, existe história da doença na família. Os primeiros sintomas aparecem normalmente entre o 1º e 2º ano de vida, nos casos onde o nível do fator deficiente é muito baixo.  Existem dois tipos caracterizados pelos especialistas: a hemofilia A e a hemofilia B. Um ocorre por deficiência do fator VIII de coagulação, já a outro por deficiência do fator IX – que são proteínas que atuam na coagulação do sangue – sua falta acarreta hemorragias.

O hemofílico, por não ter a  quantidade do fator VIII (hemofilia A) ou fator IX (hemofilia B) suficiente tem o processo de coagulação alterado, com dificuldade na formação do coágulo e, consequentemente, de parar os sangramentos. Hematologistas recomendam que os pais recorram ao médico, caso os filhos apresentem sangramentos fora do habitual.

Manchas escuras que aparecem na criança, ainda bebê, podem ser sinais de alerta. “Indivíduos com hemofilia costumam ter hemorragias espontâneas nas articulações e músculos, sendo que os joelhos, tornozelos, cotovelos, ombros e o quadril são os mais atingidos. Sangramentos nesses locais são conhecidos como hemartroses. O paciente pode apresentar manchas roxas na pele após pequenos traumas, principalmente quando está começando a andar e sangramentos exagerados em pequenos cortes, como ruptura do freio lingual e labial, comum em crianças pequenas, após trauma na boca”, informa a hematologista Alessandra Nunes Prezotti, da Medquimheo.

Sobre o diagnóstico

O diagnóstico é realizado através da história de sangramento do paciente, história familiar de hemofilia e por um exame de sangue que mede a dosagem dos níveis dos fatores VIII e IX de coagulação sanguínea.

É possível ter uma vida normal

De acordo com Alessandra Prezotti, hematologista da Medquimheo, o acompanhamento da hemofilia é fundamental.  No Brasil, hoje, o tratamento é igual aos dos países desenvolvidos e o governo disponibiliza o fator que será utilizado, de acordo com cada caso, sendo utilizado preventivamente nos pacientes que apresentam deficiência grave do fator, para evitar o surgimento dos sangramentos. A fisioterapia é uma importante aliada para reforçar a musculatura e evitar sangramentos articulares e musculares.

“Com o tratamento correto, o hemofílico consegue ter uma vida normal. Atividades físicas que fortaleçam a musculatura são recomendadas, mas é necessário avaliar com o médico quais os exercícios indicados. Quando tratados rapidamente, os episódios de hemorragias deixam menos sequelas”, disse a médica”.

 




No dia 23 de novembro, comemora-se em todo o país o Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil, instituído em abril de 2008. A Confederação Nacional de Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer (CONIACC) busca mobilizar a sociedade a promover o “Novembro Dourado”. O objetivo é criar ações de alerta para a importância do combate ao câncer em pessoas de 5 a 19 anos.

De acordo com o oncologista pediátrico da Medquimheo, Dr.Carlos Magno Bortolini, o câncer é a doença que mais mata crianças e adolescentes. “No Espírito Santo, profissionais ligados aos programas de tratamento do Câncer Infantojuvenil e à Associação Capixaba Contra o Câncer Infantil (Acacci), divulgam medidas que podem ajudar às famílias a ficarem atentas aos sinais e sintomas relativos da doença”, detalha.

Informações do Instituto Nacional do Câncer (Inca), no Brasil, demonstram que a estimativa de novos casos de câncer infantojuvenil é de 4 mil a 19 mil, por ano. “Desse total, poucos são diagnosticados. Muitos são encaminhados aos centros de tratamento com a doença já em estágio avançado.  Um dos objetivos do movimento é estimular ações educativas e preventivas, tornando os sinais do transtorno conhecidos ao maior número de pessoas”, explica Bortolini.
 

Alertas

Levar as crianças e adolescentes regularmente ao pediatra, e observar qualquer mudança no comportamento ou corpo dos filhos, são medidas que têm uma importância muito elevada, quando o assunto é câncer. “A arma principal contra o tumor é o diagnóstico precoce. Os pais, médicos, agentes de saúde e até os professores podem ser aliados para reforçar medidas preventivas. O medo da doença e a falsa ideia de que o câncer não tem cura, terminam por retardar o tratamento”, reforça o oncologista.

As leucemias, câncer do sangue, são as formas mais comuns de câncer na população infantojuvenil, seguidas pelos tumores cerebrais e os linfomas, sendo que este último acomete os gânglios ou nódulos linfáticos, popularmente conhecidos como ínguas. “Os tumores renais e ósseos, neuroblastomas, tumores do fígado, retinoblastoma (acomete o globo ocular) e os de células germinativas (de ovários e testículos), vêm a seguir”, destaca.

 

Sintomas

Ainda de acordo com o oncologista, cada tumor apresenta sinais isolados. Leucemias Agudas, por exemplo, costumam gerar febre e dores. Sangramentos espontâneos de mucosas, palidez, manchas roxas ou equimoses pelo corpo, crescimento do fígado e do baço e de gânglios ou ínguas também são sintomas.  

Os tumores cerebrais podem provocar vômitos frequentes e inexplicados, acompanhados de cefaléia, alteração da visão, estrabismo súbito, perda do equilíbrio, convulsão, alteração do comportamento, fala arrastada e dificuldade para andar.

Os linfomas causam febre, palidez, sudorese noturna e emagrecimento. Ínguas de crescimento rápido e contínuo, sem relação com infecção, geralmente, indolores também são sinais de alerta. Elas podem causar dificuldade para respirar.

Tumores ósseos criam um aumento de volume em projeção de um osso (geralmente de membros como o quadril), com ou sem dor, sem relação com trauma local. Às vezes febre.

Retinoblastoma, ou “Tumor do olho”, gera um aumento do volume do olho, manchas esbranquiçadas na pupila, alteração da visão e dor.

 

Tratamento

O tratamento varia para cada tipo de tumor. Às vezes apenas a cirurgia pode ser resolutiva.  Em alguns casos, são necessárias a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia. Considerando todos os tipos de câncer na infância e adolescência, os índices globais e atuais de cura, chegam aos animadores índices de 70%.

 



A alimentação das crianças, em geral, precisa ser monitorada com muito cuidado pelos pais. Para os pequenos que estão em tratamento contra o câncer, esse zelo deve ser redobrado. Comidas gordurosas não estão liberadas, pois podem comprometer a saúde.

O Dia das Crianças se aproxima e, as guloseimas preferidas da infância são atrativos. A dica da nutricionista Janine Rover de Mello para esta data é que os pais fiquem atentos e evitem exageros. Ela sugere o preparo de panquecas coloridas. “Apostar em cores variadas, torna o prato mais atraente. A apresentação dos alimentos é uma forma de instigar o apetite”, explica.

Essa é uma ótima forma de tornar a alimentação divertida, além de ser saudável!

 

Panqueca colorida

Ingredientes:

  • ½ xícara de chá de amido de milho
  • ½ xícara de chá de quinoa
  • 1 xícara de chá de leite
  • 1 ovo
  • 1 pitada de sal

 

Modo de Fazer: Bata todos os ingredientes da massa no liquidificador até formar uma massa homogênea. Aqueça uma frigideira pequena, unte com uma gota de azeite. Despeje um pouco da massa e espalhe uniformemente na frigideira. Espere um pouco e vire a massa. Assim que virar a massa acrescente a misturo do recheio e feche a massa ao meio. Doure a massa dos dois lados, e sirva.

 

Como colorir a massa: Use um pedaço de cenoura (para uma coloração laranja) ou beterraba (coloração rosa) ou algumas folhas de espinafre (coloração verde) e bata junto à massa.

 

Para o recheio:  Queijos magros como cottage, ricota, peito de peru, tomate, azeitona, palmito, frango desfiado ou carne moída. As crianças podem participar no preparo e escolher o seu recheio.



Em clima de Mês das Crianças, a Medquimheo e o Hospital Metropolitano unem forças para promover uma comemoração especial para os pequenos em tratamento contra o câncer. No próximo dia 4, meninos e meninas a partir de 1 ano terão uma festa, com o animador Felipe Peralta. A ação será no espaço de humanização do Metropolitano, na Serra.

Na ocasião, guloseimas serão distribuídas e brincadeiras serão realizadas. De acordo com a nutricionista Janine Rover de Mello, que está à frente da organização do evento, a proposta é mostrar que, mesmo em tratamento, as crianças podem se divertir.

“Hospital não é apenas sinônimo de medicamentos e doenças. Essa é uma etapa que pode ser vencida com alegria, e é essa mensagem que será deixada no dia”, explica a nutricionista.