BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Leucemia

campanha-fevereiro-laranja.png

Celebrada anualmente no segundo mês do ano, Fevereiro Laranja é uma campanha nacional que tem como principal objetivo levantar debates sobre a conscientização da leucemia e a doação de medula óssea – opção de tratamento para a doença em alguns casos.

O movimento convida as pessoas a refletirem sobre a empatia e a possibilidade de se voluntariar como doadores. Além de partilhar informações sobre a leucemia, os subtipos da doença, as formas de tratamento e reforçar que a importância do diagnóstico precoce independe da idade. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), quanto mais avançada a idade, maiores são os riscos de complicação da doença. No entanto, em crianças, o tipo linfóide aguda é mais comum e representa 28% dos casos que, se diagnosticados em estágio inicial, apresentam boas chances de cura.

Para te ajudar a entender a importância da campanha e dar dicas de como se tornar um doador de medula óssea, nós, do Blog da Medquimheo, preparamos este conteúdo especial. Leia com atenção e aproveite que o ano está apenas começando para praticar a solidariedade com o outro!

🧬 A Leucemia e os subtipos

Para compreender a leucemia é preciso conhecer o funcionamento da medula óssea, que é um tecido esponjoso que ocupa o centro dos ossos. Um grupo chamado células-tronco hematopoiéticas é responsável pela produção das células sanguíneas e é o local onde o câncer tem início.

A leucemia surge devido ao adoecimento de determinadas células que atrapalham a produção de outras saudáveis na medula óssea. A doença pode ser classificada como aguda ou crônica, que, para os especialistas, descrevem quão rápido (aguda) ou devagar (crônica) a leucemia progride e identifica o tipo de glóbulo branco que está envolvido (mieloide ou linfoide).

– Os principais tipos de leucemia, são:

🩸 Leucemia Mieloida Aguda (LMA);

🩸 Leucemia Mieloide Crônica (LMC);

🩸 Leucemia Linfoide Aguda (LLA);

🩸 Leucemia Linfoide Crônica (LLC).

#DicaMedquimheo: a Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale) publicou manuais informativos, a fim de esclarecer sobre os tipos de leucemia. Confira!

🩺 Fatores de risco e tratamento da Leucemia

De acordo com o Inca, em grande maioria, os pacientes que desenvolvem leucemia não apresentam fatores de risco que possam ser modificados. Entretanto, suspeita-se da associação entre determinados motivos que aumentam a probabilidade do desenvolvimento da doença. Tabagismo, contato com radiação, síndromes hereditárias, histórico familiar, idade avançada e exposição a agrotóxicos são algumas causas estudadas com relação ao surgimento da leucemia.

Após o diagnóstico precoce, que é de suma importância, o tratamento é escolhido a partir da detecção do tipo de leucemia. O processo pode envolver quimioterapias, medicamentos orais e, em alguns casos, o transplante de medula óssea. Como o acompanhamento é feito de forma individualizada, é preciso estar em contato direto com um especialista para que os cuidados sejam iniciados rapidamente e de forma adequada.

💉 Qual foi o impacto da pandemia para a doação de medula óssea?

O Brasil possui o terceiro maior banco de doadores de medula óssea do mundo, com cerca de 4 milhões de voluntários cadastrados no Registro Nacional de Medula Óssea (Redome). No entanto, o período de pandemia afetou diretamente o ato de se voluntariar e doar. Dados da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea (SBTMO) alertam para queda de 30% dos cadastros de doadores no ano de 2020.

📌 Motivos para ser um doador de medula óssea

Nesse cenário, o Redome chama a atenção para a importância de ser um doador de medula óssea. Confira alguns motivos para ser um voluntário desta causa:

💙 O transplante pode beneficiar o tratamento de cerca de 80 doenças em diferentes estágios;

💙 O doador ideal (irmão compatível) está em cerca de apenas 25% das famílias brasileiras, para 75% dos pacientes que necessitam da identificação de um doador alternativo;

💙 Os riscos, na maioria dos transplantes, são poucos. O estado físico do doador é checado anteriormente e por volta de 15 dias, a medula já estará totalmente recuperada.

🧡 Como se tornar um doador de medula óssea?

Para entrar na lista de voluntários para doação de medula óssea é necessário ter entre 18 e 55 anos, estar em bom estado geral de saúde, não ter doença infecciosa ou incapacitante, não apresentar quadro de doença imunológica,  neoplásica (câncer) ou hematológica (do sangue). Caso você não se enquadre em nenhuma dessas situações de impedimento, siga este passo a passo para se voluntariar:

1️⃣ Procure o hemocentro do seu estado e agende uma consulta de esclarecimento sobre a doação de medula óssea;

2️⃣ Assine o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) e preencha uma ficha com informações pessoais;

3️⃣ Será coletada uma quantidade de 10ml de sangue do candidato doador. O material será analisado e testado para identificar características genéticas que serão cruzadas com dados dos pacientes que necessitam de transplantes.

4️⃣ Os dados serão incluídos no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea e quando houver um paciente com possível compatibilidade, o candidato será consultado. Por isso, é importante manter as informações do banco atualizadas.

5️⃣ Caso o candidato opte seguir com o processo, serão realizados exames para confirmar a compatibilidade e o estado de saúde do voluntário.

Seja um doador de medula óssea e ajude a salvar vidas!

Conheça nosso blog!

Nosso blog é repleto de posts para te manter sempre bem informado. Aproveite mais conteúdos:

Anemia pode virar leucemia? Entenda sobre as doenças!

Especialista conta que nem toda mancha roxa significa leucemia

Fonte: Dra. Alessandra Prezotti, hematologista da Medquimheo, CRM ES 6782.


manchas-roxas-no-corpo.jpg

Se você nunca ouviu o termo equimose, pelo menos já deve ter tido manchas roxas no corpo antes. Nada mais do que uma infiltração de sangue na malha de tecidos do organismo, devido à ruptura de capilares, a equimose geralmente está relacionada a traumas. Algumas vezes, no entanto, pode ser decorrente de distúrbios de coagulação ou de efeitos colaterais de alguns medicamentos. Entenda mais sobre as causas e como lidar com as manchas roxas no corpo neste post. Continue lendo!

Equimose e hematoma: qual a diferença?

equimose é caracterizada por um sangramento em que ocorre a infiltração do sangue nos tecidos do corpo, como a pele, por exemplo, devido à ruptura de alguns vasos sanguíneos, o que resulta em manchas roxas no corpo.

Por ambos serem manchas roxas no corpo, é comum confundir um hematoma e uma equimose. Porém, o hematoma acontece quando a contusão rompe vasos de maior calibre, derramando-se uma maior quantidade de sangue, que pode infiltrar-se no tecido celular subcutâneo e nos músculos. Ambos podem surgir após uma lesão, traumatismo (batidas ou pancadas), cirurgias…. Porém, também podem ser devidos a alterações hematológicas .

É importante falar que ter uma equimose espontânea não relacionada a contusões é possível. Nesse caso, ela pode ser atribuída a distúrbios da crase sanguínea ou a transtornos vasculares, sendo acompanhada de outros sinais de transtornos hematológicos. Por isso, fique atento se surgirem manchas roxas no corpo sem motivo aparente.

Manchas roxas no corpo

Nem sempre a equimose será desta coloração. Devido à reabsorção do sangue pelos macrófagos orgânicos, antes de se tornarem manchas roxas no corpo, elas serão vermelhas-azuladas e após o roxeado, se tornarão amareladas, antes de finalmente sumirem.

Um exame direto do local e uma detalhada história clínica são suficientes para que o médico faça um diagnóstico da origem da equimose. Antes de tratar, ele procurará saber o motivo do surgimento e questionará o paciente sobre seus antecedentes médicos e sobre o uso de medicamentos. O tratamento das equimoses dependerá das causas.

Acesse o blog da Medquimheo e saiba muito mais sobre saúde, bem-estar e oncologia!


sintomas-de-leucemia.jpg

março 2, 2018 Leucemia0

Existem muitos sintomas de leucemia que podem passar desapercebidos em sua fase inicial, dentre elas as manchas roxas no corpo. Listamos sete sinais de quando é preciso procurar um especialista para diagnosticar essa doença, acompanhe!

Os primeiros indícios geralmente incluem cansaço excessivo e ínguas no pescoço e virilha. No entanto, os sintomas de leucemia podem variar de acordo com a evolução da doença, bem como do tipo de célula afetada, além da idade do paciente.

Mas o que é leucemia?

Esse tipo de câncer atinge os glóbulos brancos, também chamados de leucócitos, e tem como principal característica o acúmulo de células anormais na medula óssea, onde as células sanguíneas são formadas.

No paciente com a patologia ocorre uma produção descontrolada de glóbulos brancos doentes, que ocupam espaço na medula óssea reduzindo a fabricação de outras células. Isso pode ocasionar anemia (pela redução dos glóbulos vermelhos), hemorragia (pela redução das plaquetas) e comprometimento da função de defesa do organismo (por diminuição dos glóbulos brancos normais). Tudo isso gera uma sequência de sintomas de leucemia que precisam ser observados!

Existem diferentes apresentações da doença: aguda, crônica, linfoblástica e mieloblástica. Embora existam esses tipos, os sintomas de leucemia são geralmente os mesmos.

Os principais sintomas de leucemia incluem:

– Febre

– Fadiga

– Fraqueza

– Infecções frequentes

Manchas roxas no corpo

– Aumento do fígado ou baço

– Sangramento fácil

– Hemorragias nasais

– Dor nos ossos ou articulações

Manchas roxas no corpo: alerta

Entre os sintomas de leucemia que mais chamam a atenção estão as manchas roxas no corpo, que devem ser investigadas quando surgem sem motivo aparente. Estas manchas são provocadas pela queda na produção das plaquetas, que são responsáveis pelo processo inicial da coagulação do sangue. Quem tem leucemia pode apresentar manchas roxas no corpo.

Tratamento de câncer

leucemia

Somente um hematologista pode diagnosticar a leucemia, através de exames como hemograma completo ou de coagulação sanguínea e bioquímica, além do exame da medula óssea (mielograma) quando necessário. O tratamento deve ser iniciado o quanto antes, isso ajuda a aumentar as chances de cura! Pode ser feito com quimioterapia, imunoterapia ou transplante de medula óssea, de acordo com o tipo e a evolução do câncer.

Aqui, na Medquimheo, você tem todo o apoio necessário para o tratamento de câncer em Vitória. Depois de entender sobre os sintomas de leucemia e as manchas roxas no corpo, marque uma consulta com um especialista!

 


leucemia-vira-leucemia-entenda.jpg

janeiro 30, 2018 AnemiaLeucemia0

Apesar da leucemia e a anemia serem patologias relacionadas ao sangue, você sabia que as duas possuem diferenças na forma que acometem os pacientes? Segundo especialistas, a anemia é um sintoma que pode estar presente em diversas doenças. O sinal pode aparecer por deficiência de ferro, porém, não se transforma em leucemia. No entanto, o paciente com este tipo de câncer geralmente apresenta a condição anêmica. Quer saber mais? Continue lendo!

Anemia x leucemia

 Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) anemia é definida como a condição na qual o conteúdo de hemoglobina no sangue está abaixo do esperado. As anemias podem ser causadas por deficiência de vários nutrientes como ferro, zinco e vitamina B12.

A hematologista aqui da Medquimheo, Alessandra Prezoti, explica que a anemia mais frequente nas pessoas é a causada por deficiência de ferro. Denominada como anemia ferropriva, estima-se que correspondam a 90% de todos os casos de anemia. No entanto, a anemia ferropriva não evolui para leucemia.

Já a leucemia é um câncer maligno que tem início na medula óssea, local em que as células sanguíneas são produzidas, explica Prezoti. Na leucemia, os glóbulos brancos são as células atingidas. Por conta da patologia, elas começam a se reproduzir de forma desordenada fazendo com que o paciente desenvolva a patologia.

Para o tratamento de leucemia, devem ser realizados processos de quimioterapia, radioterapia ou até transplante de medula óssea.

Anemia: saiba quais são os sintomas

anemia-vira-leucemia

A condição anêmica ferropriva é frequente nas pessoas e possui tratamento simples, feito em geral com a suplementação de ferro. Como especifica Prezoti, indícios no corpo podem indicar a presença da patologia. Fadiga excessiva, palidez de pele e nas mucosas, menor disposição para o trabalho, devem ser observados.

Para saber um pouco mais de patologias sanguíneas é só acompanhar os nossos posts aqui no blog da Medquimheo!



mancha-roxa-leucemiaA leucemia é uma doença temida pela grande maioria. Entre os principais sintomas físicos está o aparecimento de manchas roxas pelo corpo, sem nenhum motivo aparente. É caracterizada pelo acúmulo de células jovens anormais na medula óssea, região do organismo em que são produzidas as células sanguíneas. O acúmulo de células anormais impede a produção dos glóbulos normais: vermelhos, brancos e as plaquetas. Mas médicos alertam que o aparecimento de hematomas na pele nem sempre são sinais da doença.

Outros transtornos, entre eles a púrpura imune (PTI), uma doença autoimune, caracterizada pela presença de manchas vermelhas pequenas semelhantes a picadas de inseto (petéquias), surgimento de   manchas roxas, hematomas e outros sangramentos.  Isso ocorre por conta da destruição de plaquetas por anticorpos produzidos pelo próprio organismo. “Neste caso a produção de plaquetas pela medula óssea está normal ou aumentada. Atinge, em especial, mulheres em idade fértil, mas também pode afetar homens e crianças. Outros sintomas que podem ocorrer são: sangramentos nasais, nas gengivas e no trato urinário. Hemorragias gastrintestinais e menstruais difíceis de controlar também podem acontecer”, comenta Alessandra Prezotti, hematologista da Medquimheo.

Análise do hematologista é fundamental

É necessário realizar um hemograma, que irá identificar se o nível de plaquetas está menor do que o esperado. Caso detecte alguma anormalidade, o hematologista poderá investigar a causa desta deficiência até chegar ao diagnóstico final.

Tratamento

 

Medicamentos como prednisona e imunoglobina são utilizados para o tratamento da doença. Em alguns casos, a cirurgia para a remoção do baço pode ser indicada, já que as plaquetas ligadas aos anticorpos são destruídas por este órgão.

 



relacao-anemia-leucemiaA anemia está na lista de transtornos hematológicos mais comuns. A causa pode estar relacionada a uma série de fatores e não somente à alimentação, como a grande maioria acredita. Deficiência de nutrientes é uma causa comum, mas perda crônica de sangue, verminoses e doenças de outros órgãos (como as da tireoide, por exemplo) podem colaborar para seu surgimento. Há quem confunda os sintomas desse problema com a leucemia. Mas hematologistas explicam que na imensa maioria dos casos não há qualquer relação entre ambas. Raramente, no entanto, a anemia pode ser o primeiro sinal de um câncer no sangue.  

 

Doença maligna originada nos glóbulos brancos, a leucemia é caracterizada pelo acúmulo de células jovens anormais na medula óssea, região do organismo em que são produzidas as células sanguíneas. Este acúmulo de células anormais impede a produção dos glóbulos normais: vermelhos, brancos e as plaquetas. A redução de produção dos glóbulos vermelhos pode causar a anemia. Segundo a hematologista Evelyne Monteiro, da Medquimheo, a relação entre as duas doenças está neste ponto.

 

“A anemia não é uma doença, mas sim uma alteração na saúde. Os sintomas mais frequentes são palidez e fadiga. Em alguns casos pode ocorrer icterícia e aumento do baço. É comum que alguns pacientes com uma anemia persistente  pensem que ela se transformará em leucemia, mas isso é um mito. O mais indicado nestas situações é buscar o diagnóstico e ter o tratamento correto”, esclarece a especialista.

 

Especialista explica quando anemia pode virar um problema mais grave

 

Geralmente, a anemia é de fácil tratamento e controle. Mas hemorragias digestivas são preocupantes. Elas podem ocasionar uma perda de sangue muito grande em curto espaço de tempo. Como consequência, a pressão arterial cai rapidamente – o que os médicos chamam de choque hemorrágico. A hemorragia digestiva pode se manifestar por evacuação de coloração escura (fezes negras, amolecidas e de odor extremamente fétido) e palidez de rápida instalação. Ainda de acordo com a hematologista, úlceras podem ser as responsáveis por esse agravante. “Ao detectar esses sintomas, o paciente deve procurar uma emergência rapidamente”, orienta.