BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Câncer

Câncer-de-cabeça-e-pescoço.jpg

O mês de julho é conhecido como Julho Verde. Mas você sabe por quê? Trata-se de uma campanha realizada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP), junto com a Associação de Câncer de Boca e Garganta (ACBG Brasil). Tem como intuito principal, conscientizar a população sobre a prevenção dos tumores de cabeça e pescoço, que atingem boca, língua, palato mole e duro, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe, esôfago cervical, tireoide e seios paranasais.

No dia 27 de julho, comemora-se o Dia Mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço. Como nós, da Medquimheo, abraçamos esta causa, no post de hoje você confere mais detalhes sobre a iniciativa.

#JulhoVerde

A oncologista da Medquimheo Carolina Conopca, conta que para conseguir conscientizar as pessoas e, assim alcançar o objetivo da campanha, são feitos alertas sobre os fatores de risco do câncer de cabeça e pescoço. “O tabagismo, consumo de álcool, as infecções por HPV e o excesso de exposição solar são alguns deles. A data reforça, também, a importância do diagnóstico precoce”, explica a especialista.

Importância do autoexame

As chances de cura aumentam, significativamente, caso a doença seja detectada no início. Feridas na boca que não cicatrizam há mais de duas semanas ou inchaços no pescoço, que são alguns dos sintomas, podem ser identificados por meio do autoexame.

Outros sintomas do câncer de cabeça e pescoço

Na fase inicial da doença, os tumores costumam ser assintomáticos, ou seja, não apresentam sinais. No entanto, nossa oncologista relata, que, à medida que se desenvolvem, geralmente causam:

  • Dor local;
  • Dificuldade para engolir;
  • Nódulo persistente no pescoço;
  • Lesão na boca que não cicatriza;
  • Rouquidão por mais de três semanas, principalmente em fumantes e consumidores frequentes de bebidas alcoólicas.

A Medquimheote convida a abraçar também a campanha #JulhoVerde.

Aproveite para continuar acompanhando os posts do blog e fique por dentro de informações relacionadas ao câncer.

Fonte: Dra. Carolina Conopca – oncologista clínica – CRM: 11.130


inverno-cuidados-cancer.jpg

O Inverno chegou e, com ele, as temperaturas mais baixas do ano! Mas, você sabia que os pacientes que estão em tratamento oncológico devem ter atenção especial à saúde nesta época? Neste post, a Medquimheoexplica mais sobre a relação entre o inverno e os cuidados nos tratamentos oncológicos e te apresenta dicas para aliviar os sintomas. Continue lendo!

Inverno e tratamento do câncer: qual a relação?

Com a chegada do inverno, os medicamentos quimioterápicos costumam acentuar a sensibilidade ao frio, provocando nos pacientes a sensação de formigamento ou de choque, principalmente nas mãos e nos pés. A oncologista da Medquimheo, Carolina Conopca, explica que as medicações também podem provocar queda na imunidade, aumentando o risco de infecções respiratórias, como resfriados e sinusites.

Por conta do frio, as pessoas costumam ocupar ambientes fechados e ficarem mais próximas. “Esses ambientes sem ventilação e com muitas pessoas não devem ser frequentados pelos pacientes em quimioterapia, pois aumentam o risco de se adquirir uma doença respiratória. O ideal é que os pacientes busquem ambientes arejados”, explica a oncologista.

Como aliviar os sintomas?

Separamos algumas dicas que irão te ajudar a se proteger durante o inverno. Confira:

  1. Mantenha-se agasalhado: invista nas roupas de frio, sem esquecer as extremidades. O uso de luvas, gorros, toucas de lã e meias grossas ajuda a manter a temperatura do corpo.
  1. Lave as mãos durante o dia: para prevenir algum tipo de infecção respiratória, como gripe ou sinusite, lave as mãos com água e sabão várias vezes durante o dia, especialmente antes das refeições.
  1. Opte por alimentos frescos: alimentos com grande concentração de nutrientes, fibras, vitaminas e antioxidades têm poder de recuperar o organismo. Além disso, beba bastante água!
  1. Evite ambientes fechados: como já explicamos, locais fechados e climatizados aumentam as chances de contrair uma doença respiratória. Opte por locais frescos e arejados!

Continue acompanhando o blog da Medquimheo! Separamos outros conteúdos que podem te interessar:

#DicaDaNutri: Alimentos que auxiliam no tratamento do câncer

Viagens longas podem causar trombose. Como prevenir?


imunoterapia-medquimheo.jpg

Quando se fala em tratamento para o câncer, muito provavelmente as palavras que passam pela sua cabeça são quimioterapia e radioterapia, não é mesmo? No entanto, no post de hoje você vai conhecer sobre a imunoterapia, um método consideravelmente recente, mas que desde as últimas décadas tem se tornado um importante tratamento para certos tipos de câncer, como melanoma, renal e de pulmão. Continue acompanhando e confira!

O que é a imunoterapia?

Diferentemente dos outros métodos de tratamento para o câncer, que atacam diretamente as células tumorais, a imunoterapia atua estimulando o sistema imunológico do paciente, por meio de anticorpos sintetizados em laboratório. Dessa forma o sistema imune se torna capaz de identificar e combater as células cancerígenas.

São duas as maneiras mais comuns de administrar os medicamentos da imunoterapia:

  • Intravenosa: diretamente na veia;
  • Subcutânea: por injeção no tecido subcutâneo.

Como funciona o tratamento da imunoterapia?

Vírus, fungos, bactérias e até mesmo algumas células cancerosas são consideradas substâncias desconhecidas pelo sistema imunológico e, por isso, são destruídas. No entanto, nem sempre o resultado é esse, há situações em que as células cancerosas não apresentam uma composição diferente das células saudáveis e, portanto, o sistema imunológico não consegue identificá-las como seres desconhecidos. Também existem casos em que elas até são reconhecidas, mas os anticorpos não têm força suficiente para combatê-las sozinhos.

O tratamento por meio da imunoterapiafoi desenvolvido justamente com o intuito de potencializar os resultados do sistema imunológico. Assim, este, conseguirá identificar e combater as células do câncer com uma facilidade maior.

A imunoterapia no Brasil

A Agência Nacional de Saúde já aprovou vários medicamentos imunoterápicos para pacientes com câncer de bexiga, pulmão, melanoma, linfomas de Hodgkin, tumores de cabeça e pescoço e câncer gástrico. Apesar das aprovações, somente um médico oncologista saberá ao certo definir o melhor tratamento para cada paciente.

Atenção

Como dito anteriormente, a imunoterapia é utilizada em alguns casos específicos de câncer. Além disso, pode ser administrada tanto como um tratamento em conjunto com outros, como também de forma isolada. Vai depender da recomendação do oncologista.

Manter-se hidratado, evitar a exposição solar e ter uma alimentação balanceada são medidas importantes para manter o sistema imunológico forte, capaz de combater o câncer.

Para continuar sempre te mantendo bem informado, nós, da Medquimheo, indicamos outros três conteúdos que produzimos, que podem te interessar. Confira:

  1. As 10 dúvidas mais comuns sobre a quimioterapia
  2. Radioterapia: uma alternativa para o câncer
  3. Alimentos que auxiliam no tratamento do câncer

sanduíche.jpg

A quimioterapia pode causar diversos efeitos colaterais ao paciente em tratamento de câncer. Nas primeiras horas, ou até alguns dias após o uso da medicação, podem ocorrer náuseas, alteração do paladar e falta de apetite. Todos esses sintomas são capazes de tornar a alimentação um momento difícil.

Para que a alimentação seja facilitada no dia a quimioterapia, a nutricionista da Medquimheo Naira Fraga reuniu dicas de lanches saudáveis e fáceis de preparar!

Opções de lanches para os dias de quimioterapia

A nutricionista explica que, alimentar-se a cada três horas, com pequenas porções, é uma ótima estratégia para os dias de tratamento. No momento de náuseas intensas, é indicada a ingestão de alimentos de textura mais seca. Alguns exemplos são os vegetais desidratados na forma de chips como mandioca, banana, batata e milho. Eles podem ser consumidos sozinhos ou com patês naturais, conforme a indicação da nutricionista.  

O sanduíche com recheio de patê de frango desfiado, com creme de ricota e hortelã ou manjericão é uma ótima sugestão de lanche saudável para ser experimentado. “Outra comida de fácil preparo e também nutritiva é a salada de macarrão com frango e legumes”, acrescentou.

Picolés cítricos como limão ou abacaxi são opções refrescantes que ajudam no controle de náuseas e perda do paladar. O mesmo vale para as frutas cítricas, que podem ser consumidas geladas ou na forma de sucos como de abacaxi com hortelã, de laranja com morango ou maracujá. Também pode ser feito um milk shake saudável em casa com frutas congeladas como banana e maracujá batidas no liquidificador com leite.

“Salpicar uma colher de leite em pó sobre as frutas ou na salada de fruta faz com que os lanches se tornem mais nutritivos sem deixá-los pesados”, acrescentou.

Como reduzir a náusea e a alteração do paladar?

Para reduzir a náusea durante o tratamento de câncer, a nutricionista indica que os pacientes podem dar preferência a alimentos mais frios ao invés dos quentes.

“Ingerir algo levemente ácido antes das refeições como suco de limão ou maracujá, molhos de limão para as saladas ou ralar o limão congelado por cima da comida também pode auxiliar no controle da náusea e da alteração do paladar”, disse Naira.

Veja também aqui no Blog alimentos que auxiliam no tratamento do câncer.

Fonte: Naira Marceli Fraga Silva – nutricionista – CRN4: 15101252.


cuidados-couro-cabeludo.jpg

A alopecia, ou queda de cabelos, é uma das consequências mais temidas pelos pacientes em tratamento de quimioterapia. A dermatologista da Medquimheo Dra. Mary Lane Alves Nemer explica que, dependendo dos medicamentos usados, a queda de cabelos pode ser total – o que é mais comum – ou até não ocorrer.

A ausência abrupta dos cabelos gera a necessidade de um cuidado diferente com o couro cabeludo que fica mais exposto ao sol, ao frio e a traumas, enfatiza a dermatologista. Para essa fase, a Dra. Mary Lane indica que o uso do filtro solar com alto fator de proteção, de preferência em loção e de boa qualidade, é fundamental na exposição do paciente ao sol.

Outras formas de proteção

O uso de lenços e outros adereços capilares conferem estilo, melhoram a autoestima e também oferecem proteção solar.

“Chapéus, bonés, toucas, perucas e lenços são formas de proteção física para o couro cabeludo e o uso deve ser orientado e estimulado”, enfatizou a dermatologista.

Higiene do couro cabeludo

A higiene do couro cabeludo é outro cuidado importante durante o tratamento quimioterápico. A dermatologista explica que, enquanto os cabelos não estão crescendo, o sabonete usado para o corpo pode ser usado na cabeça, desde que seja sem perfume, hidratantes ou neutros e em pequena quantidade.

“Quando os cabelos estiverem nascendo, poderão ser usados shampoos neutros, shampoos para bebês ou para couro cabeludo sensibilizado. Se o paciente tiver couro cabeludo oleoso ou qualquer outra doença prévia, deve pedir orientação ao seu oncologista ou dermatologista para saber os produtos mais indicados para sua pele”, orienta a dermatologista.

Resumo dos cuidados com o couro cabeludo durante a quimioterapia:

  1. Usar protetor solar com alto fator de proteção no couro cabeludo quando for se expor ao sol.
  2. Chapéus, bonés e lenços são indicados para proteger do sol e do frio. O couro cabeludo fica muito mais exposto aos raios solares e, por isso, o paciente deve sempre fazer uso desses acessórios, com preferência aos que tenham proteção FPS.
  3. É indicado higienizar a cabeça com sabonete enquanto os cabelos não estão crescendo. O sabonete deve ser hidratante, sem perfume e usado em pouca quantidade.
  4. Quando o cabelo estiver crescendo, o cabeça pode ser higienizada com shampoos para bebês ou shampoos para couro cabeludo sensibilizado com pH neutro.

Esperamos que as dicas possam ajudar!

Achamos que outros conteúdos de nosso Blog também podem colaborar. Veja algumas sugestões:

10 dúvidas comuns sobre quimioterapia

Como a crioterapia pode ser aliada durante sua quimioterapia?

Oncologia em Vitória


relacao-cancer-e-depressao.jpg

Medo, ansiedade e dúvidas são sentimentos comuns na maioria das pessoas diagnosticadas com câncer. Isso acontece porque os pacientes criam uma grande expectativa quanto ao tratamento e a possível cura. É nesse momento que os problemas de depressão e ansiedade podem aparecer. Para entender melhor sobre essa relação, continue lendo o post que a psicóloga Gabriela Simmer esclarece!

Depressão x câncer

Segundo dados do Observatório de Oncologia, a chance de um paciente oncológico desenvolver a depressão varia de 22% a 29%. O estudo também constatou que, pacientes com câncer de mama têm de 10% a 25% de chances de ter o transtorno. A depressão é caracterizada por um momento de tristeza duradouro ou repetitivo de grande intensidade. No entanto, existem outros sintomas, que somados a essa tristeza, caracterizam o problema e geram sérios prejuízos à saúde. Listamos abaixo alguns deles, confira:

  1. Perda de prazer nas atividades diárias;
  2. Indiferença frente às situações;
  3. Diminuição da capacidade de raciocinar, de se concentrar e/ou de tomar decisões;
  4. Lentidão, fadiga e sensação de fraqueza;
  5. Alterações do sono (insônia ou muito sono);
  6. Alterações do apetite (Perda ou aumento da fome);
  7. Diminuição do interesse sexual;
  8. Afastar-se da convivência com outras pessoas;
  9. Pensamentos negativos a respeito da doença;
  10. Sensação de esgotamento.

É comum ouvirmos que a quimioterapia por si só já provoca alguns efeitos colaterais no paciente como cansaço, desânimo, fraqueza, dentre outros sintomas característicos. Mas é importante saber diferenciar da depressão, por isso, os familiares e a equipe devem ficar atentos aos outros sinais que citamos acima.

Quais os prejuízos gerados?

Como a depressão causa desânimo, o paciente oncológico pode se sentir abatido para frequentar as consultas ou as sessões de quimioterapia e/ou outras atividades relacionadas ao autocuidado. Lembrando também, que grandes mobilizações emocionais podem favorecer alterações na imunidade e trazer prejuízos para o processo de tratamento.

Tratamento do paciente oncológico depressivo

Caso o paciente oncológico seja diagnosticado com um quadro depressivo, é importante avaliar a necessidade de psicoterapia, com o objetivo de favorecer o enfrentamento do tratamento. Em caso de necessidade, alguma medicação pode ser prescrita para complementar o cuidado com o paciente. Atividades alternativas como yoga e meditação, também são boas opções para promoção da saúde física e mental.

A participação dos entes queridos é muito importante nesse momento! Caso a família ou os amigos notem sintomas de depressão, devem ajudar a pessoa, procurando auxílio médico.

Quer mais informações sobre o tratamento do câncer?

Caso queira entender melhor como funciona o tratamento do câncer, leia também nosso post que explica as 10 dúvidas mais comuns.

Temos também um conteúdo com orientações para sessão da quimio.

A Medquimheo está sempre à disposição, conte com a gente!


chas-fitoterapicos.jpg

É normal recorrermos aos chás fitoterápicos quando estamos com alguma dor, já que são métodos naturais de tratamento. Contudo, os pacientes oncológicos, principalmente, aqueles em quimioterapia, precisam tomar cuidado com eles, pois podem agravar seus quadros. No post de hoje, vamos explicar o que são esses chás e de que forma são prejudiciais para quem tem câncer. Continue lendo e descubra!

O que são fitoterápicos?

Medicamentos produzidos a partir de partes de plantas, como por exemplo folha, caule, raiz e semente e que têm sua eficácia assegurada no tratamento de determinadas doenças são considerados fitoterápicos. Antes de serem comercializados, estes passam por testes de qualidade e são registrados pelo órgão federal de vigilância sanitária (ANVISA).

Alerta para pacientes quimioterápicos!

Não é incomum os pacientes oncológicos serem bombardeados com informações, vindas da internet, de familiares, conhecidos e até mesmo de vendedores ambulantes, sobre plantas que ajudam no tratamento do câncer ou no controle dos efeitos colaterais da quimioterapia. Em razão disso, acabam iniciando o uso dessas substâncias sem o consentimento da equipe de oncologia.  

Muitas plantas utilizadas não têm nem a avaliação da ANVISA. E de forma equivocada, pensa-se que remédios à base de plantas não oferecem riscos por serem “naturais”, mas não é bem assim! A nutricionista oncológica da Medquimheo alerta que é preciso cautela, especialmente durante o tratamento da quimioterapia.  

“As interações entre a quimioterapia e o fitoterápico podem acontecer desde a absorção no intestino, transporte pelo sangue, processamento pelo fígado e rins até a entrada da substância na célula tumoral. Como resultado pode ocorrer uma exacerbação dos efeitos da quimio. Isso ao primeiro olhar parece até interessante, mas não se engane, a dose da medicação já é planejada de forma que seja efetiva e gere o mínimo de efeitos colaterais possíveis. Essa potencialização, provavelmente, só aumentará os efeitos colaterais e tornará o tratamento mais difícil. Além disso, uma outra possibilidade é a redução dos efeitos da quimioterapia, podendo comprometer o tratamento”, explica a especialista.  

6 exemplos de plantas perigosas durante a quimioterapia:

As plantas são compostas por diversas substâncias, e algumas podem ter efeitos colaterais perigosos, vejamos alguns exemplos:

  1. Noni: o consumo elevado pode causar hepatoxicidade e nefrotoxicidade, ou seja, danos ao fígado e rins, órgãos que comumente estão sobrecarregados durante o tratamento
  2. Babosa: pode causar dores abdominais, diarreia, hepatite aguda e nefrite. Além disso, pode interagir com diversos medicamentos antineoplásicos (utilizados para evitar ou inibir o crescimento e a disseminação de tumores).
  3. Folha de graviola: há relatos de danos renais.
  4. Cogumelo do sol: assim como o Noni também pode causar danos ao fígado.
  5. Cimicifuga: em grandes quantidades pode gerar náuseas.
  6. Chá verde: em grandes quantidades pode gerar danos ao fígado. Parece interagir com diversos medicamentos antineoplásicos.

São várias as formas que os compostos naturais podem interferir no tratamento quimioterápico e pouco se sabe sobre os possíveis efeitos reais dessas substâncias. Por isso, é de extrema importância conversar com o nutricionista e o médico antes de começar a usá-los.  A Medquimheo se preocupa com você e produz conteúdos no blog para te manter bem informado. Continue sempre acompanhando!

Fonte: Naira Fraga – nutricionista – CRN4: 15101252


exames-oncologicos.jpg

Para verificar a pressão, níveis de glicemia, colesterol e batimentos cardíacos é necessário fazer, anualmente, os exames básicos gerais, conhecidos como check-ups. Mas você sabia que existem aqueles que são próprios para o câncer? São os chamados onco check-ups.

Carolina Conopca, oncologista da Medquimheo, conta que com o avanço da ciência e tecnologia, a prevenção e o diagnóstico precoce dos diversos tipos de cânceres se tornam cada vez mais fáceis. “Isso porque hoje existe uma gama de exames oncológicos preventivos e orientações médicas que têm o intuito de prevenir o surgimento da doença ou aumentar suas chances de cura”, explica.

Mamografia: exame para o câncer de mama

O tumor mais frequente no sexo feminino é o de mama. Dra.Carolina informa um dado relevante. “Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), até o final do ano são previstos 59.700 casos no Brasil e 1.130 somente no Espírito Santo”, alerta. Para a prevenção da doença, a sociedade Brasileira de Mastologia recomenda que as mulheres iniciem a mamografia a partir dos 40 anos de idade e que repitam anualmente.

Papanicolau: exame para o câncer de colo uterino

É imprescindível que toda mulher que já iniciou sua vida sexual faça, anualmente, o exame preventivo papanicolau no ginecologista. Isso ajuda a detectar os tumores do colo de útero.

Toque retal: exame para o câncer de próstata

Nos homens o tumor mais frequente é o de próstata. De acordo com o Inca, em todo o País cerca de 68.220 casos estão previstos até o final de 2019. Desses, 1.510 no Espírito Santo. “Para investigar a doença, é indicado que a partir dos 50 anos de idade, realize o exame de sangue (PSA) e o toque retal”, esclarece a oncologista. A importância desse último exame é tão grande que 20% dos tumores de próstata não alteram o PSA. Contudo, quando este é associado ao toque, a taxa de erro cai para menos de 5%.

Tomografia de tórax: exame para o câncer de pulmão

O câncer de pulmão é oque mais mata no Brasil e no mundo. Mas, também pode ser prevenido. Para os pacientes tabagistas, a partir dos 50 anos de idade, é aconselhada a realização anual de uma tomografia de tórax. Entretanto, não substitui uma das principais formas de prevenção da doença: a suspensão do cigarro.

Colonoscopia: exame para o câncer de intestino

Esse exame permite a análise do revestimento interno do intestino grosso e parte do delgado correspondente ao reto, ao cólon e o íleo terminal. O que ajuda a encontrar pólipos, tumores, inflamações, úlceras e outras alterações do órgão, servindo como um dos principais métodos de rastreamento do câncer de cólon e reto.

Cuide-se!

Quanto mais cedo você descobrir a doença, maior será sua chance de cura. Marque seu onco check-up!

Fonte: Dra. Carolina Conopca – oncologista clínica – CRM: 11.130


alteracao-do-paladar-pacientes-oncologicos.jpg

A quimioterapia é uma forma de tratamento sistêmica que utiliza medicamentos capazes de afetar as células que se multiplicam com maior frequência, como é o caso das células cancerígenas. No entanto, partes do corpo como o intestino, boca e garganta apresentam uma camada de revestimento que também se renova constantemente e são susceptíveis aos efeitos da medicação.

Já o tratamento radioterápico apresenta ação local, a radiação emitida danifica o DNA das células o que impede sua reprodução e leva a morte. Embora esteja em constante avanço para reduzir o acometimento dos tecidos em torno do tumor, pode haver dano às células saudáveis durante o tratamento.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), esses procedimentos podem ter ação tóxica sobre o trato gastrointestinal, resultando em efeitos colaterais, como a alteração de paladar (disgeusia), assunto que trataremos a seguir!

Quando o alimento perde ou sofre alteração do sabor?

A nutricionista da Medquimheo, Naira Fraga, explica sobre essa mudança. “A variação ou perda do paladar pode acontecer durante o tratamento oncológico porque as papilas gustativas, estruturas responsáveis pelo reconhecimento dos sabores podem sofrer com a ação dos quimioterápicos ou com a radioterapia na região da boca e garganta”, conta.

A percepção dos sabores se altera e, em alguns casos, é reduzida consideravelmente. “Há pacientes que notam a presença de um gosto amargo ou metálico na boca, outros que sente que a maioria dos alimentos está salgada ou adocicada”, completa.

Dicas da nutricionista!

“Infelizmente ainda não temos como evitar esse efeito colateral, porém, podemos amenizá-lo. Nesses casos é importante tentar lembrar do gosto da comida antes da refeição, preparar pratos coloridos e atrativos, e usar ervas aromáticas para estimular ou outros sentidos. Ingerir algo levemente ácido antes das refeições, como suco de limão ou maracujá, molhos de limão para as saladas ou ralar o limão congelado por cima da comida pode ajudar. Além disso, o gosto metálico pode ser reduzido trocando os talheres de metal pelos de plástico”, aconselha a nutricionista.

“Uma observação importante é que os pacientes que estão fazendo a radioterapia na região da cabeça e pescoço devem evitar esses alimentos mais ácidos durante as sessões, mas podem usá-los após o término”, finaliza.

É preciso testar essas dicas e ver quais ajudam em cada caso, pois cada pessoa se adapta melhor a uma maneira.

Estamos à disposição!

A Medquimheo conta com um corpo clínico completo e pronto para te ajudar no que for preciso! Além disso, atualizamos sempre nosso blog para te manter cada vez mais bem informado, continue acompanhando e aproveite!

Fonte: Naira Fraga – nutricionista – CRN4: 15101252


medquimheo-dia-mundial-combate-cancer.jpg

O Dia Mundial de Combate ao Câncer é comemorado no dia 8 de abril. A data, criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), alerta para a importância da prevenção dos vários tipos de câncer. Só no Espirito Santo, por exemplo, são previstos 11.540 casos da doença até o fim de 2019, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Na Capital, 1.260 poderão ter a doença.

Para a oncologista Carolina Conopca, da Medquimheo, a data serve para comover e conscientizar as pessoas. “No dia 8 de abril e em todos os outros 364 dias do ano, precisamos lembrar que cuidar da saúde e ser solidário ao próximo é uma grande arma contra a doença. Esses números demonstram a importância de divulgar hábitos e mudanças de estilo de vida que ajudam na prevenção da doença, como adotar uma dieta saudável e praticar exercícios físicos regularmente”, afirma.

Os 3 cânceres que mais matam no ES:

1. Câncer de pele não melanoma

É o mais frequente e de menor mortalidade entre os tumores de pele, porém é preciso ser tratado adequadamente para não deixar mutilações expressivas. Tem uma incidência maior em pessoas acima dos 40 anos, de pele clara mais sensível ou as que possuem doenças cutâneas prévias. “As principais causas da doença estão os fatores genéticos e a exposição prolongada ao sol. Manchas que coçam, descamam ou sangram, sinais ou pintas que mudam de tamanho, forma ou cor e feridas que não cicatrizam em 4 semanas são os sinais de alerta para este câncer”, explica a oncologista.

Segundo o Inca até o final do ano, somente no Espírito Santo, são previstos 3.390 casos de câncer de pele não melanoma.

2. Câncer de próstata

Resulta de uma multiplicação desordenada das células da próstata. Quando há a presença da doença, essa glândula endurece. É considerado um câncer da terceira idade, pois a maior parte dos casos ocorre em homens a partir dos 65 anos. No estado, de acordo com o Inca a previsão é de que até o final do ano 1.510 homens tenham a doença.

“Como em boa parte dos pacientes o câncer de próstata não apresenta sintomas na sua fase inicial, é recomendado que os homens a partir dos 50 anos façam exame de próstata anualmente, que inclui o toque retal e o exame de sangue”, alerta Carolina Conopca.

3. Câncer de mama

Como consequência de alterações genéticas em um conjunto de células da mama, esse tipo de câncer consiste em um tumor maligno que passa a se dividir descontroladamente. Os principais fatores de risco comportamentais relacionados ao desenvolvimento do câncer de mama são: excesso de peso corporal, falta de atividade física e consumo de bebidas alcoólicas.Estima-se que por meio da alimentação, nutrição e atividade física é possível reduzir em até 28% o risco de a mulher desenvolver câncer de mama, conforme o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Ainda segundo o Inca, no Espírito Santo, 1.130 mulheres poderão ter a doença até o final deste ano.

A mamografia, exame usado para detectar a doença, captura imagens do seio com o mamógrafo. Aparelho que com os feixes do raio x tem a anatomia das mamas projetadas. A Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) recomenta que seja realizado em mulheres a partir dos 40 anos.

40% dos cânceres são prevenidos com alimentação balanceada

Uma análise da American Society of Clinical Oncology aponta que a alimentação balanceada e a prática regular de exercícios físicos são capazes de prevenir 40% dos casos de câncer.A nutricionista da Medquimheo, Naira Fraga, ressalta a importância de uma alimentação balanceada para a prevenção do câncer.

“O padrão alimentar pode ser um ponto chave para o desenvolvimento da doença. Uma dieta rica em frutas e vegetais será repleta em compostos antioxidantes, anticancerígenos e auxilia na manutenção do peso corporal adequado, reduzindo o risco de diversos cânceres. Ao passo que o consumo exagerado de certas substâncias aumentam esse risco, como, por exemplo, as carnes processadas ricas em sal, nitritos e nitratos que podem causar danos irreparáveis no DNA e levar a formação do câncer”, alerta.

Fonte: Carolina Conopca – oncologista clínica – CRM: 11.130

Fonte: Naira Fraga – nutricionista – CRN4: 15101252