BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Câncer de mama

cancer-de-mama.jpg

outubro 30, 2015 Câncer de mama0
cancer-de-mamaOutubro Rosa está prestes a acabar, mas muitas dúvidas ainda rondam as mulheres quando o assunto é câncer de mama. O Dr. Cleverson Gomes, mastologista da Medquimheo, respondeu os principais questionamentos sobre a aceitação do diagnóstico e o tratamento da doença.
Confira a entrevista:

Ao receber o diagnóstico de câncer de mama, uma série de sentimentos envolvem a mulher, como, por exemplo, o medo da quimioterapia e da mastectomia. Como reagir a isso?

Dr. Cleverson Gomes: Como em toda novidade, o corpo reage com estresse, liberando adrenalina. Logo após esta onda de hormônio, vem uma breve fase de negação, seguida de uma fase de excitação e, finalmente, a fase de aceitação. Claro que nem todas as pacientes reagem da mesma forma, mas devemos ter em mente que não é fácil assimilar tal situação. Por isso, nada melhor que ter conhecimento para ter menos medo. O medo vem do que é novo. Se não for novo, perde-se o medo de maneira gradual e individual.

Existe uma forma mais apropriada de falar com a família sobre a doença?

Dr. Cleverson Gomes: O médico deve dar o diagnostico apenas à paciente ou responsável legal, e pode fazer o anúncio a família, caso seja autorizado para isso. O ideal é que a paciente comunique aos seus familiares, no momento oportuno.

Em especial, qual a importância do papel do parceiro durante o tratamento?

Dr. Cleverson Gomes: O companheiro é peça fundamental no tratamento desta doença. É uma promessa: “Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença”. Toda forma de apoio é fundamental, e nada melhor do que o apoio de quem está mais perto, mais íntimo.

Todo paciente com câncer de mama deve fazer a quimioterapia para a cura da doença? E a mastectomia?

Dr. Cleverson Gomes: O tratamento de câncer de mama tem evoluído muito com o passar do tempo. Hoje em dia, nem todas as pacientes precisam de mastectomia. Algumas nem de quimioterapia precisam. E vai chegar o dia em que nem de cirurgia precisarão.

A paciente que faz a mastectomia tem o direito, resguardado por lei, de uma cirurgia plástica para a reconstrução da mama. Essa cirurgia pode ocorrer quando?

Dr. Cleverson Gomes: Do ponto de vista oncológico, não existe momento mais oportuno para a cirurgia plástica reconstrutora. O que pode haver, em alguns casos, é a necessidade de mais de uma cirurgia plástica para reparação. Mas, independentemente do tratamento, a plástica reconstrutora é direito de toda a paciente operada.

O que fazer quando uma mulher passa pela triagem genética e o resultado aponta a suscetibilidade para o câncer de mama?

Dr. Cleverson Gomes: Quando a mulher aceita passar pela triagem genética ela tem que estar ciente de que é como uma bola de cristal: dá a ela a possibilidade de antever o seu futuro. E para mudar este destino, algumas podem ser orientadas a optar pela retirada preventiva das mamas e reconstrução com próteses, e até mesmo a retirada dos ovários. Mas tudo tem que depender da aceitação da própria paciente.

Qual a importância das ações de prevenção contra o câncer de mama continuarem?

Dr. Cleverson Gomes: Quanto mais campanhas de conscientização, de prevenção e de detecção precoce do câncer de mama ocorrerem, maiores as chances da doença ser detectada no início, garantindo mais chances de cura, de tratamentos menos invasivos, de bem- estar e vida saudável.

outubro_rosa-1.jpg

outubro 30, 2015 Câncer de mama0
outubro_rosaQuando se fala em prevenção do câncer de mama, logo se pensa na mamografia e no autoexame, considerados os mais comuns e acessíveis a população em geral. A partir de 2013, no entanto, após a atriz norte-americana Angelina Jolie anunciar a sua dupla mastectomia profilática (retirada das mamas de maneira preventiva e imediata reconstrução com próteses de silicone) outra forma de prevenção ganhou destaque: o exame de suscetibilidade genética.

O exame de suscetibilidade genética define o risco hereditário para o desenvolvimento do câncer a partir do rastreamento das mutações em genes (BRCA 1 ou 2) com alta probabilidade de desenvolverem o tumor. Os principais tipos de cânceres associados ao exame são os de mama e/ou ovário.

Dr. Cleverson Gomes, mastologista da Medquimheo, ressalta que nem toda mulher é candidata a realizar o rastreio genético. “De modo geral, mulheres que têm mais de um caso de câncer de mama em parentes de linhagem direta (mãe, irmãs e filhas), casos de câncer de mama em si própria ou em parentes abaixo dos 30 anos de idade, casos de câncer de mama em homens ou câncer de ovário na família devem realizar o rastreio genético”, comenta o mastologista.

Suscetibilidade genética positiva

Quando o teste genético determina que a mulher herdou a mutação dos genes BRCA 1 ou 2, ela passa a ser uma paciente de alto risco de desenvolver o câncer de mama de forma precoce e agressiva.
“Neste caso, deve ser realizado um aconselhamento genético, alertando o risco de transmitir a mutação genética para os filhos e filhas, e, após engravidar e amamentar todos os filhos que desejar, proceder a mastectomia profilática e a ooforectomia profilática bilateral (retirada preventiva dos ovários) por volta de 35 a 40 anos de idade”, indica Dr. Cleverson.


cancer-de-mama.jpg

julho 2, 2015 Câncer de mama0
Câncer de mama
Câncer de mama

O tumor que mais atinge mulheres em todo o País é o câncer de mama. A melhor forma de prevenção contra esse câncer é a mamografia, exame importante para garantir que as mulheres estejam seguras. Várias campanhas de conscientização buscam conscientizar as mulheres sobre a importância dos exames para o controle da doença. Mas é necessário saber que nem todo nódulo no seio é sinal da doença. A maioria tem diagnóstico benigno.

É fundamental que a mulher conheça o seu corpo para conseguir detectar qualquer alteração aparente que possa indicar alguma anormalidade no corpo. No entanto, quando falamos do câncer de mama, o melhor procedimento a ser realizado é o exame médico com o auxílio de exame de imagens como a mamografia, ultrassonografia e a ressonância magnética.

Descoberta precoce do câncer de mama

O autoexame não é capaz de detectar o câncer em fases iniciais e a maior parte dos casos não surge como um nódulo palpável. Isso reforça a necessidade de exames minuciosos que ofereçam imagens claras sobre a situação do paciente. Para além do nódulo, a microcalcificação também pode ajudar a definir se uma pessoa tem câncer ou não. Nesse caso, se faz necessária uma mamografia, pois só esse exame é capaz de detectar essa anormalidade.

Apenas os médicos são capazes de detectar o potencial de risco para o nódulo ou caroço nas mamas. Algumas mulheres têm propensão a desenvolver câncer de mama por fatores genéticos, hereditários ou pessoais. Por isso, caso sinta o surgimento de um nódulo mamário, a mulher deve procurar o mastologista para que a investigação seja feita, assim como o tratamento individualizado.

Cistos mamários

Os cistos mamários podem surgir em qualquer época da vida e têm muita influência hormonal para o surgimento do câncer. São mais frequentes após a juventude e mais raros após a menopausa.

 



Exposição faz parte do calendário de ações da Medquimheo para o Outubro Rosa. No total, 11 telas estarão disponíveis na clínica, a partir do dia 13
Em clima total de Outubro Rosa a Medquimheo, clínica capixaba que trata pacientes com câncer, abre suas portas para que o público conheça as telas inspiradoras da paciente Eucymara Guimaraes do Amaral a partir da próxima segunda-feira (13), em Vitória. As obras de arte revelam muito mais do que os traços dos pincéis, demonstram, também, os momentos de superação e lutas da artista.
Na batalha contra o câncer de mama desde 2012, Eucymara buscou na pintura o seu refúgio. A cada pincelada procurava por tudo o que sentia no tratamento. As telas, de acordo com a artista, são abstratas e resumem cada etapa que viveu até hoje. “Algumas opções demonstram tons mais quentes e outras mais frias. Para a Medquimheo, irei levar 11 das que já fiz até o momento. Quero surpreender e ser um canal para as mulheres que enfrentam o mesmo problema. A partir da minha arte sei que posso mostrar que a doença não é uma sentença de morte. É possível continuar sendo feliz, inclusive no tratamento e procurar fontes que nos deem forças para continuar a luta com muita garra e a vontade inesgotável de vencer”, comenta.

Sobre os quadros

Ebulição, Cosmos, Caminho I, Caminhos II, Inquietações I, Inquietações II, Inquietações III, Abraço, Assentamento e Alvorecer são os nomes de algumas artes que estarão expostas. “Cada uma demonstra meus mais singelos sentimentos. Comecei a enxergar novas possibilidades, novos caminhos e vi que era preciso prosseguir, mesmo quando tudo parecia dar errado. Na arte demonstro a minha persistência e a força que conseguimos encontrar dentro de nós quando nos abraçamos, aceitamos nossa situação e lutamos para sair dela”, disse.

Arteterapia no tratamento

De acordo com a psicóloga Priscila Rodrigues Pereira, a arteterapia é um canal terapêutico muito eficaz para pacientes que estão em tratamento contra o câncer. “Na arte é possível expressar sentimentos que algumas pessoas não conseguem transpor verbalmente e que de alguma forma podem prejudicar o desempenho do tratamento. Por meio de atividades artesanais, como esculturas, trabalhos com argila ou com poesias, dança e teatro também é possível ter resultados excelentes para a liberação do estresse e como formas alternativas para trazer relaxamento ao corpo e à mente”, explica.

Serviço

A exposição vai de 13 a 31 deste mês, na Medquimheo, que fica na Enseada do Suá, em Vitória. A iniciativa faz parte da programação da clínica para o Outubro Rosa. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (27) 3324-7777.


Para manter o padrão estético apresentado nas passarelas, filmes e novelas, algumas mulheres vão além do que é considerado saudável e apropriado ao corpo. A busca por próteses de silicone, por exemplo, tem aumentado nos últimos anos. Hoje, está no ranking da terceira cirurgia estética mais procurada no País. O produto pode esconder um grande risco à saúde feminina: o câncer. Pesquisas indicam que o material pode esconder a doença em exames de mamografia. No Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher, 28 de maio, especialistas conscientizam à população sobre o risco.
 

De acordo com Cleverson Gomes do Carmo Júnior, mastologista da Medquimheo, a prótese torna mais difícil a detecção de algum nódulo durante o autoexame. Durante a mamografia, pode bloquear a imagem correta da mama. “A recomendação para mulheres com o implante é a mesma para quem não possui a prótese: a mamografia é obrigatória a partir dos 40 anos. O produto em si não causa câncer de mama. Contudo a forma como a prótese é inserida nos seios podem dificultar a mamografia em detectar a doença precocemente. A posição atrás do músculo diminui esta perda de sensibilidade, sendo melhor para realizar a mamografia”, orienta.
 

Mais sobre o câncer de mama
 

O câncer de mama é o tumor que mais atinge as mulheres no Brasil. Com as campanhas de conscientização, a importância da mamografia tem se tornado uma iniciativa difundida de forma clara e objetiva ao público-alvo. Sem delongas, mastologistas enfatizam que esse exame é indispensável.
 

Há muitos anos houve um alerta intenso sobre o autoexame das mamas, como um bom método para a detecção precoce do câncer de mama. “É certo que a mulher deve conhecer o seu corpo e saber reconhecer quando algo está fora do normal. Entretanto, quando falamos sobre câncer de mama, o melhor procedimento a ser realizado é o exame médico, associado a exames de imagem, como mamografia, ultrassonografia e ressonância magnética. O autoexame das mamas perde um pouco sua capacidade de detecção precoce do câncer. A maior parte dos casos não surge com nódulo palpável”, alerta o mastologista da Medquimheo.  

 

Outras formas de identificar a doença

Profissionais salientam que, ao contrário do que a grande maioria acredita, o nódulo não é a única forma de definir que alguém possui câncer. A microcalcificação também pode ser uma delas. Para isso, torna-se de suma importância a mamografia, pois somente ela é capaz de detectar a essa anormalidade, em dimensões de até mesmo 1 milímetro. Há casos em que podem ocorrer sintomas como secreções com sangue pelos mamilos e descamações nas areólas.

“Apenas o médico é capaz de determinar o potencial de risco para o achado de nódulo ou caroço nas mamas. Um nódulo pode simular câncer e ser benigno. O contrário é verdadeiro: pode parecer benigno e ser, na verdade, um câncer se desenvolvendo. Além disso, algumas mulheres têm propensão a desenvolver câncer de mama, seja por fatores genéticos, hereditários ou pessoais. Então, em caso de surgimento de um nódulo mamário, a mulher deve procurar imediatamente seu mastologista, para que toda a investigação seja feita, o tratamento seja individualizado e ela se sinta muito mais tranquila”, orienta o médico.

 

Cistos mamários
 

Os cistos mamários têm muita influência hormonal para o surgimento do câncer. São mais frequentes durante a juventude e mais raros após a menopausa. “Na verdade, os cistos podem surgir em qualquer época da vida da mulher, porém, é durante a idade reprodutiva que eles mais aparecem. Na menopausa há uma tendência ao seu desaparecimento”, comenta o mastologista.