BLOG

Acompanhe dicas de saúde, nutrição e bem-estar em nosso Blog.

Autoestima e câncer

cuidados-couro-cabeludo.jpg

A alopecia, ou queda de cabelos, é uma das consequências mais temidas pelos pacientes em tratamento de quimioterapia. A dermatologista da Medquimheo Dra. Mary Lane Alves Nemer explica que, dependendo dos medicamentos usados, a queda de cabelos pode ser total – o que é mais comum – ou até não ocorrer.

A ausência abrupta dos cabelos gera a necessidade de um cuidado diferente com o couro cabeludo que fica mais exposto ao sol, ao frio e a traumas, enfatiza a dermatologista. Para essa fase, a Dra. Mary Lane indica que o uso do filtro solar com alto fator de proteção, de preferência em loção e de boa qualidade, é fundamental na exposição do paciente ao sol.

Outras formas de proteção

O uso de lenços e outros adereços capilares conferem estilo, melhoram a autoestima e também oferecem proteção solar.

“Chapéus, bonés, toucas, perucas e lenços são formas de proteção física para o couro cabeludo e o uso deve ser orientado e estimulado”, enfatizou a dermatologista.

Higiene do couro cabeludo

A higiene do couro cabeludo é outro cuidado importante durante o tratamento quimioterápico. A dermatologista explica que, enquanto os cabelos não estão crescendo, o sabonete usado para o corpo pode ser usado na cabeça, desde que seja sem perfume, hidratantes ou neutros e em pequena quantidade.

“Quando os cabelos estiverem nascendo, poderão ser usados shampoos neutros, shampoos para bebês ou para couro cabeludo sensibilizado. Se o paciente tiver couro cabeludo oleoso ou qualquer outra doença prévia, deve pedir orientação ao seu oncologista ou dermatologista para saber os produtos mais indicados para sua pele”, orienta a dermatologista.

Resumo dos cuidados com o couro cabeludo durante a quimioterapia:

  1. Usar protetor solar com alto fator de proteção no couro cabeludo quando for se expor ao sol.
  2. Chapéus, bonés e lenços são indicados para proteger do sol e do frio. O couro cabeludo fica muito mais exposto aos raios solares e, por isso, o paciente deve sempre fazer uso desses acessórios, com preferência aos que tenham proteção FPS.
  3. É indicado higienizar a cabeça com sabonete enquanto os cabelos não estão crescendo. O sabonete deve ser hidratante, sem perfume e usado em pouca quantidade.
  4. Quando o cabelo estiver crescendo, o cabeça pode ser higienizada com shampoos para bebês ou shampoos para couro cabeludo sensibilizado com pH neutro.

Esperamos que as dicas possam ajudar!

Achamos que outros conteúdos de nosso Blog também podem colaborar. Veja algumas sugestões:

10 dúvidas comuns sobre quimioterapia

Como a crioterapia pode ser aliada durante sua quimioterapia?

Oncologia em Vitória


relacao-cancer-e-depressao.jpg

Medo, ansiedade e dúvidas são sentimentos comuns na maioria das pessoas diagnosticadas com câncer. Isso acontece porque os pacientes criam uma grande expectativa quanto ao tratamento e a possível cura. É nesse momento que os problemas de depressão e ansiedade podem aparecer. Para entender melhor sobre essa relação, continue lendo o post que a psicóloga Gabriela Simmer esclarece!

Depressão x câncer

Segundo dados do Observatório de Oncologia, a chance de um paciente oncológico desenvolver a depressão varia de 22% a 29%. O estudo também constatou que, pacientes com câncer de mama têm de 10% a 25% de chances de ter o transtorno. A depressão é caracterizada por um momento de tristeza duradouro ou repetitivo de grande intensidade. No entanto, existem outros sintomas, que somados a essa tristeza, caracterizam o problema e geram sérios prejuízos à saúde. Listamos abaixo alguns deles, confira:

  1. Perda de prazer nas atividades diárias;
  2. Indiferença frente às situações;
  3. Diminuição da capacidade de raciocinar, de se concentrar e/ou de tomar decisões;
  4. Lentidão, fadiga e sensação de fraqueza;
  5. Alterações do sono (insônia ou muito sono);
  6. Alterações do apetite (Perda ou aumento da fome);
  7. Diminuição do interesse sexual;
  8. Afastar-se da convivência com outras pessoas;
  9. Pensamentos negativos a respeito da doença;
  10. Sensação de esgotamento.

É comum ouvirmos que a quimioterapia por si só já provoca alguns efeitos colaterais no paciente como cansaço, desânimo, fraqueza, dentre outros sintomas característicos. Mas é importante saber diferenciar da depressão, por isso, os familiares e a equipe devem ficar atentos aos outros sinais que citamos acima.

Quais os prejuízos gerados?

Como a depressão causa desânimo, o paciente oncológico pode se sentir abatido para frequentar as consultas ou as sessões de quimioterapia e/ou outras atividades relacionadas ao autocuidado. Lembrando também, que grandes mobilizações emocionais podem favorecer alterações na imunidade e trazer prejuízos para o processo de tratamento.

Tratamento do paciente oncológico depressivo

Caso o paciente oncológico seja diagnosticado com um quadro depressivo, é importante avaliar a necessidade de psicoterapia, com o objetivo de favorecer o enfrentamento do tratamento. Em caso de necessidade, alguma medicação pode ser prescrita para complementar o cuidado com o paciente. Atividades alternativas como yoga e meditação, também são boas opções para promoção da saúde física e mental.

A participação dos entes queridos é muito importante nesse momento! Caso a família ou os amigos notem sintomas de depressão, devem ajudar a pessoa, procurando auxílio médico.

Quer mais informações sobre o tratamento do câncer?

Caso queira entender melhor como funciona o tratamento do câncer, leia também nosso post que explica as 10 dúvidas mais comuns.

Temos também um conteúdo com orientações para sessão da quimio.

A Medquimheo está sempre à disposição, conte com a gente!


shutterstock_489814927.jpg

No mês mais rosa do ano, o Grupo de Mulheres da Medquimheo, doará a renda arrecadada com a venda de artesanatos confeccionados por elas para uma instituição de crianças em situação de risco, a Associação de Vivência Shalon. Tudo isso ocorrerá durante o Singularidade Revelada, a ser realizado no dia 19, das 8h30 às 13h, no Espaço de Eventos do Hospital Metropolitano e que trará uma movimentação de amor e apoio ao próximo, além de reunir especialistas que promoverão palestras relacionadas ao tema de câncer de mama e Outubro Rosa.

De acordo com Janine Rover de Mello, nutricionista da Medquimheo e uma das organizadoras, o evento de Outubro Rosa também contará com duas exposições fotográficas, a primeira será do Grupo de Mulheres Guerreiras Medquimheo. “A outra novidade será nossa linda exposição de fotos das crianças que estão em tratamento de câncer na clínica. Todas vestidas de super-heróis, mostrando o quão guerreiras são”, explica.

Gabriela Simmer, psicóloga e profissional também à frente do movimento de Outubro Rosa, explica que um dos principais objetivos é alertar sobre como é fundamental a prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama e oferecer um momento de descontração a quem está nesta situação. “As mulheres que têm passado por esse momento estarão ativas no dia e serão, junto com as crianças, as grandes estrelas da exposição fotográfica”, conta.

Valor dos produtos revertidos a quem precisa de ajuda

As almofadas, panos de prato e chaveiros expostos à venda foram feitos pelas mãos das Mulheres Guerreiras da Medquimheo, que se empenham no tratamento contra o câncer e acreditam que a solidariedade é uma fonte determinante para o enfrentamento do problema.

O câncer de mama no ES

Segundo levantamento feito pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca), cerca 1130 pessoas podem ser vítimas do câncer de mama no Espírito Santo até o final deste ano. Por isso o diagnóstico precoce é determinante para aumentar as chances de cura. 

Por isso, não deixe de comparecer ao evento Singularidade Revelada e continue acompanhando o Blog da Medquimheo para mais informações sobre o tratamento do câncer de mama.


quimioterapia-crioterapia-capilar.jpg

Quando se ouve falar em crioterapia, ela geralmente está relacionada a procedimentos estéticos para “perda de gordura”, não é mesmo? Mas você sabia que a técnica também pode ser utilizada nos cabelos, para evitar a queda dos fios em decorrência da quimioterapia? A oncologista da Medquimheo, Dr. Carolina Conopca conta um pouco mais neste post. Continue lendo!

O diagnóstico de câncer representa uma mudança muito grande na rotina. Além de lidar com a doença, os pacientes também enfrentam os efeitos colaterais, como náuseas, desconfortos, entre outros. A queda de cabelo também é uma das principais consequências da quimioterapia. No caso das mulheres, é comum que a autoestima seja afetada por isso.

A queda dos fios acontece porque a quimioterapia atua tanto nas células cancerígenas quanto nas saudáveis, atingindo inclusive os folículos pilosos, responsáveis pela produção dos cabelos, fazendo com que caiam.

A crioterapia previne a queda?

Segundo Dra. Carolina, em parte, previne a queda, sim! Ela explica que a crioterapia capilar “consiste em um sistema de resfriamento do couro cabeludo por meio de ar refrigerado conduzido por uma touca térmica, que a paciente usa durante as sessões do tratamento”.

De acordo com a médica, essa prática antes, durante e depois da quimioterapia reduz o fluxo sanguíneo nos folículos pilosos, preservando-os. Ainda assim, ela alerta que mesmo com a utilização da touca de resfriamento, é esperada a queda moderada dos fios, entre 30 e 50%.

Melhora da autoconfiança

É importante deixar claro que a crioterapia capilar não apresenta benefícios ou prejuízos quanto à eficácia da quimioterapia no tratamento do câncer. Mas, como conta a médica da Medquimheo: “Os ganhos estão no fato da técnica promover uma melhora na autoconfiança”.

Nossa psicóloga Gabriela Simmer também contribuiu com sua opinião, aqui para o Blog: “Muitas pessoas relacionam a autoestima somente a uma questão estética, mas vai muito além”, conta. De acordo com a profissional, quando a paciente está bem consigo, ela se sente mais forte e, portanto, mais preparada para enfrentar a quimioterapia.

Aqui na Medquimheo, nossa equipe está preparada para dar toda a assistência necessária durante o tratamento.

Caso tenha ficado com alguma dúvida, conte para nós nos comentários!


perucas.jpg

outubro 16, 2015 Autoestima e câncer0

Aliadas das mulheres no tratamento contra o câncer, as perucas podem ser feitas de forma industrial, artesanal ou personalizadas, auxiliando no resgate da autoestima de quem perdeu o cabelo durante as sessões de quimioterapia.

As perucas são aliadas da beleza na luta contra o câncerPriscila Gomes, psicóloga da Medquimheo, salienta que, assim como os lenços, chapéus e turbantes, as perucas mantêm a naturalidade e beleza na época do tratamento. “Esses acessórios são cada vez mais incorporados no dia a dia e colaboram para a mulher não se sentir inferior ou menos bonita”, pontua a psicóloga.

Para Dirceu Paigel, proprietário de uma perucaria especialista em atender pacientes em tratamento contra o câncer, as mulheres que o procuram sempre saem com a autoestima valorizada. “Hoje existem muitas formas de fazermos perucas, e o mais importante é fazer com que a pessoa encare o tratamento de forma mais positiva e jamais se sinta com a feminilidade afetada. Esse é o papel de uma peruca e sempre será o nosso papel também”, pontua Paigel.

Dicas Medquimheo

Decida-se sem pressão

Usar a peruca também exige coragem, e, por isso, certifique-se que esta será a melhor maneira para se sentir confortável e bem consigo mesma durante o tratamento.

A psicóloga Priscila ressalta que a autoestima é construída todos os dias por aspectos internos e externos. “É importante estar aberta para descobrir novos aspectos da beleza e feminilidade, respeitando a individualidade de cada mulher. Cada uma tem o seu tempo e momento, e, ao respeitar isso, o encontro com o espelho será feito de forma mais natural e sensível”, acrescenta.

Tire as dúvidas com o seu médico

Perguntas como “meu cabelo vai cair?”, “com quantas sessões de quimioterapia o cabelo começa a queda dos fios?” e “quanto tempo ele vai demorar para crescer?” são difíceis de serem questionadas, mas fundamentais para tomar a decisão.

Às vezes, no entanto, o médico não terá todas as respostas, mas a melhor opção é perguntar.

Peça dicas ao seu cabeleireiro

O seu cabeleireiro é quem melhor conhece o seu cabelo. Após conversar com seu médico e decidir usar a peruca, converse com ele e pegue dicas de cortes e tonalidades que combinam com o seu estilo, além de perucarias especializadas em atender pacientes com câncer.

Pesquise perucarias

Pesquisar perucarias especializadas em pacientes em tratamento de câncer é a melhor opção para uma escolha acertada. Procure indicações com o médico que a acompanha, o cabeleireiro, amigos e familiares. Ligue com antecedência, informe-se sobre o valor, se é possível visitar a loja e fazer testes e, principalmente, tenha certeza que se sente à vontade no local onde procura.

Agora é só usar

Depois de adquirir a sua peruca, use-a. E lembre-se: o mais importante é você estar bem consigo mesma, seja com peruca ou não.